Bem-vindo: Jan 22, 2018 23:37

Jul 17, 2012 13:34
doc holliday Forista Assíduo
Mensagens: 108
Notícias e análises que afetam os mercados
Avatar do usuário
Registrado em:
Jun 05, 2012 9:40
 
 
Produção industrial dos EUA sobe 0,4% em junho

http://br.reuters.com/article/businessN ... 2A20120717

Jul 17, 2012 19:24
KG Forista Assíduo
Mensagens: 1829
KG
Registrado em:
Nov 24, 2007 23:04
 
 
17/07/2012 16h39 - Atualizado em 17/07/2012 16h49
Executivo do HSBC renuncia após escândalo de lavagem de dinheiro
Relatório do Congresso dos EUA indicou 'graves omissões' do banco.
David Bagley chefiava desde 2002 departamento de controle do HSBC.

Do G1, com informações da EFE

http://g1.globo.com/economia/negocios/n ... heiro.html

Jul 17, 2012 19:34
KG Forista Assíduo
Mensagens: 1829
KG
Registrado em:
Nov 24, 2007 23:04
 
 
Fraj;la escreveu:
KG escreveu:17/07/2012 16h39 - Atualizado em 17/07/2012 16h49
Executivo do HSBC renuncia após escândalo de lavagem de dinheiro
Relatório do Congresso dos EUA indicou 'graves omissões' do banco.
David Bagley chefiava desde 2002 departamento de controle do HSBC.

Do G1, com informações da EFE

http://g1.globo.com/economia/negocios/n ... heiro.html
aqui falta punição pra os fraudários do cruzeiro do sul né rsrsrsrs :twisted: :evil: :lol:


Mas o David Bagley nem foi punido. Ele mesmo que pediu pra sair.
Imagina quando isso ia acontecer aqui...

Jul 18, 2012 15:22
doc holliday Forista Assíduo
Mensagens: 108
Avatar do usuário
Registrado em:
Jun 05, 2012 9:40
 
 
Câmara alemã deve aprovar ajuda à Espanha apesar de Merkel

Por Annika Breidthardt e Madeline Chambers
BERLIM, 18 Jul (Reuters) - A chanceler alemã, Angela Merkel, enfrenta na quinta-feira um teste de autoridade dentro de sua coalizão de centro-direita, quando a câmara baixa do Parlamento votará sobre a contribuição de Berlim para um pacote de ajuda de até 100 bilhões de euros aos bancos espanhóis.

É praticamente certo que o Bundestag aprove o resgate uma vez que membros de partidos de oposição darão apoio às medidas.

Entretanto, Merkel enfrenta dissidências de alguns de seus próprios conservadores e de seus parceiros da coalizão do Partido Democrático Liberal ($%*¨%) sobre temores de que os bancos espanhóis, em vez do Estado espanhol, sejam responsáveis pela ajuda.

Uma rebelião entre os próprios aliados de Merkel seria um constrangimento a ela, que só precisa de uma maioria simples para aprovar a lei mas que preferiria não contar com os votos da oposição para uma parte tão importante da legislação.

"Com os sinais que estou ouvindo, sinto-me otimista", disse Merkel em entrevista à imprensa com sua contraparte tailandesa nesta quarta-feira.

A pouco mais de um ano da próxima eleição federal, Merkel está bem nas pesquisas de opinião graças em grande parte a sua dura posição em relação aos Estados altamente endividados na crise da zona do euro.

Merkel também encontra-se no meio de uma intensa pressão dos parceiros da UE para agir mais rapidamente visando a estancar a crise, ao mesmo tempo em que vê limites determinados pela opinião pública, Parlamento e a Corte Constitucional, que ordenou que o governo dê às autoridades mais voz.

No mais recente golpe legal, a corte afirmou nesta semana que manterá a Europa esperando até setembro sobre se a Alemanha poderá ratificar o Mecanismo Europeu de Estabilidade Financeira (ESM, na sigla em inglês), o fundo de resgate permanente da zona do euro, e um pacto fiscal sobre disciplina orçamentária.
A principal objeção das autoridades ao pacote para a Espanha, no qual a Alemanha irá garantir quase 30 por cento, gira em torno de uma confusão sobre se a responsabilidade cabe ao Estado ou aos bancos.
De acordo com o temporário Fundo Europeu de Estabilização Financeira (EFSF, na sigla em inglês), o veículo inicialmente usado para a ajuda espanhola, o Estado espanhol será responsável. Mas isso mudará quando o ESM puder recapitalizar bancos diretamente, medida discutida na zona do euro agora em conjunto com um supervisor bancário na região.

http://br.reuters.com/article/businessN ... dChannel=0

Jul 18, 2012 15:25
doc holliday Forista Assíduo
Mensagens: 108
Avatar do usuário
Registrado em:
Jun 05, 2012 9:40
 
 
CVM quer análise mais rápida de IPOs para reduzir riscos a ofertas

http://br.reuters.com/article/businessN ... 4420120718

Jul 18, 2012 22:34
KG Forista Assíduo
Mensagens: 1829
KG
Registrado em:
Nov 24, 2007 23:04
 
 
18/07/12 - 12h51
Angela Merkel adverte que não está em condições de garantir o êxito do euro
Segundo a chanceler alemã, projeto europeu não dá segurança de que tudo sairá bem
O Globo, com El País

http://oglobo.globo.com/economia/angela ... ro-5509233

Jul 18, 2012 22:39
KG Forista Assíduo
Mensagens: 1829
KG
Registrado em:
Nov 24, 2007 23:04
 
 
18/07/2012 - 09h39
Líderes gregos adiam decisão final sobre corte de gastos
DA REUTERS, EM ATENAS

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/1121 ... stos.shtml

Jul 18, 2012 22:44
KG Forista Assíduo
Mensagens: 1829
KG
Registrado em:
Nov 24, 2007 23:04
 
 
Resumindo, p/ a economia crescer, as elétricas tem q crescer.

18/07/2012 - 06h30
Energia "oculta" em bens triplica o gasto de brasileiro com luz
AGNALDO BRITO
DE SÃO PAULO

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/11 ... -luz.shtml

Jul 19, 2012 13:30
doc holliday Forista Assíduo
Mensagens: 108
Avatar do usuário
Registrado em:
Jun 05, 2012 9:40
 
 
Fonte afirma que Dilma quer alterar o modelo de concessão dos aeroportos

http://www.infomoney.com.br/economia-e- ... aeroportos

Jul 19, 2012 13:43
sabervalores Estreante
Mensagens: 19
patrimônio pessoal dos candidatos
sabervalores
Registrado em:
Jul 12, 2012 12:49
 
 
O patrimônio pessoal dos 192 candidatos às prefeituras das capitais para as eleições de outubro soma R$ 379,2 milhões. A cifra foi levantada pelo G1 com base nos dados entregues pelos candidatos à Justiça Eleitoral.

A entrega da declaração de bens assinada é exigência da Lei das Eleições – artigo 11 – para todos os candidatos. Eventuais fraudes na declaração podem levar a processo de impugnação da candidatura.

O candidato que declarou maior patrimônio foi o empresário Mauro Mendes (PSB-MT), que disputa o comando de Cuiabá e apresentou bens que somam R$ 116 milhões – entre os quais empresas, ações, imóveis e uma lancha.

O prefeito de Belo Horizonte (MG), Márcio Lacerda, candidato à reeleição, aparece em segundo lugar entre os mais ricos, com R$ 58 milhões em patrimônio que inclui aplicações e imóveis.

Dos 192 candidatos, 24 declararam à Justiça Eleitoral não ter nenhum bem de valor, entre eles o ex-ministro do Desenvolvimento Social Patrus Ananias (PT), que também é candidato à prefeitura da capital mineira.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) disponibilizou o site sobre dados dos candidatos de todo o país no começo de julho e informou que até este domingo (15) o lançamento das informações sobre as candidaturas em todas as cidades seria concluído.

http://anonymousbrasil.com/patrimonio-p ... +Brasil%29

Jul 19, 2012 17:43
drive 013 Forista Assíduo
Mensagens: 1161
drive 013
Registrado em:
Nov 22, 2010 15:48
 
 
TOV Corretora faz denúncia contra executivos da CVM no comitê de Ética da Presidência



Rio, 19 - Poucos dias após o fim do mandato de Maria Helena Santana na presidência da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a TOV Corretora encaminhou à Comissão de Ética da Presidência da República uma denúncia contra a executiva e o presidente interino do órgão regulador, o diretor Otávio Yazbek. Segundo a corretora, eles teriam recebido stock options da BM&FBovespa durante seu mandato na CVM, infringindo o Código de Conduta da Alta Administração Federal.

Antes de chegar ao colegiado da autarquia, Maria Helena foi superintendente de Relações com Empresas da Bolsa. Já Yazbek esteve por oito anos na então BM&F e passou pela diretoria de autorregulação da BSM-BM&FBovespa Supervisão de Mercados, que fiscaliza os mercados organizados da bolsa.

A TOV e seu diretor Fernando Francisco Brochardo Heller pedem que a Comissão de Ética instaure um procedimento para apurar a suposta infração e, caso haja indícios de improbidade administrativa, o Ministério Público Federal seja comunicado.

Na carta, a TOV diz ter enviado à CVM em abril um pedido de interrupção da Assembleia Geral Extraordinária (AGE) da BM&FBovespa pela divulgação tardia de informações relevantes aos acionistas. Junto com ele, a corretora solicitou que o regulador do mercado determinasse à bolsa que abrisse as posições de opções de compra de ações detidas por acionistas beneficiários de planos de stock options concedidos a diretores e funcionários da BM&F e da Bovespa a partir de 2007, período prévio à fusão das companhias.

O detentor do stock option tem a opção de adquirir ações da companhia a preços abaixo do mercado e vendê-las ao preço real, obtendo lucro com a operação. Segundo a TOV, a intenção do pedido à CVM era entender os efeitos do recente exercício dessas opções de compra, já que o fator teria sido a justificativa da BM&FBovespa para a redução do valor dos dividendos pagos aos acionistas. A autarquia manteve a assembleia e encaminhou às áreas técnicas a análise dos demais pedidos após recurso da TOV.

A corretora afirma ter constatado por meios próprios a participação de dirigentes da CVM e da BSM como beneficiários dos planos de stock options. O texto afirma que o fato "configura situação de evidente conflito entre interesses públicos e privados, mormente quando esses dirigentes são rotineiramente chamados a decidirem questões que envolvem interesses da BM&FBovespa".

"Trocando em miúdos, como funcionários da BM&FBovespa que receberam milhões em stock options podem, quando alçados a integrar função de diretor e/ou presidente, julgar no Colegiado da CVM, de forma imparcial e isenta, questões afetas ao interesse da BM&FBovespa, sendo esta sua antiga empregadora e/ou patroa?," acusa a TOV no documento.

Procurada, a CVM informou que "não foi cientificada e, neste momento, não tem nenhum comentário a fazer". A ex-presidente Maria Helena Santana também disse não ter sido notificada.

A briga da TOV com a BM&FBovespa é antiga e conhecida no mercado financeiro. A TOV era sócia patrimonial efetiva da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) desde 2001, condição que a permitia operar, mas não de forma direta. Em 2004, a corretora comprou por R$ 3 milhões um título de Corretora de Mercadorias da corretora Múltipla, do ex-presidente da BM&F Manoel Felix Cintra Neto. Com esse título, ela poderia ter acesso direto ao pregão, com cinco operadores. No entanto, pouco depois a TOV teve seu ingresso vetado pelo Conselho de Administração da BM&F, o que desencadeou uma batalha judicial. Em 2007, a Justiça determinou que a corretora fosse admitida pela bolsa.

Na época da desmutualização das bolsas, a corretora fez parte de um grupo de sócios efetivos da BM&F que contestou a fusão com a Bovespa. Entre outros pontos, eles afirmavam que o valor de seus títulos patrimoniais - que seriam convertidos em ações - estava desatualizado, o que afetaria sua participação na oferta pública prévia à união das bolsas. Até hoje as disputas entre as companhias continuam sendo recorrentes, com questionamentos e acusações mútuas na CVM. (Mariana Durão)

Jul 19, 2012 17:47
KG Forista Assíduo
Mensagens: 1829
KG
Registrado em:
Nov 24, 2007 23:04
 
 
drive 013 escreveu:TOV Corretora faz denúncia contra executivos da CVM no comitê de Ética da Presidência



Rio, 19 - Poucos dias após o fim do mandato de Maria Helena Santana na presidência da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a TOV Corretora encaminhou à Comissão de Ética da Presidência da República uma denúncia contra a executiva e o presidente interino do órgão regulador, o diretor Otávio Yazbek. Segundo a corretora, eles teriam recebido stock options da BM&FBovespa durante seu mandato na CVM, infringindo o Código de Conduta da Alta Administração Federal.

Antes de chegar ao colegiado da autarquia, Maria Helena foi superintendente de Relações com Empresas da Bolsa. Já Yazbek esteve por oito anos na então BM&F e passou pela diretoria de autorregulação da BSM-BM&FBovespa Supervisão de Mercados, que fiscaliza os mercados organizados da bolsa.

A TOV e seu diretor Fernando Francisco Brochardo Heller pedem que a Comissão de Ética instaure um procedimento para apurar a suposta infração e, caso haja indícios de improbidade administrativa, o Ministério Público Federal seja comunicado.

Na carta, a TOV diz ter enviado à CVM em abril um pedido de interrupção da Assembleia Geral Extraordinária (AGE) da BM&FBovespa pela divulgação tardia de informações relevantes aos acionistas. Junto com ele, a corretora solicitou que o regulador do mercado determinasse à bolsa que abrisse as posições de opções de compra de ações detidas por acionistas beneficiários de planos de stock options concedidos a diretores e funcionários da BM&F e da Bovespa a partir de 2007, período prévio à fusão das companhias.

O detentor do stock option tem a opção de adquirir ações da companhia a preços abaixo do mercado e vendê-las ao preço real, obtendo lucro com a operação. Segundo a TOV, a intenção do pedido à CVM era entender os efeitos do recente exercício dessas opções de compra, já que o fator teria sido a justificativa da BM&FBovespa para a redução do valor dos dividendos pagos aos acionistas. A autarquia manteve a assembleia e encaminhou às áreas técnicas a análise dos demais pedidos após recurso da TOV.

A corretora afirma ter constatado por meios próprios a participação de dirigentes da CVM e da BSM como beneficiários dos planos de stock options. O texto afirma que o fato "configura situação de evidente conflito entre interesses públicos e privados, mormente quando esses dirigentes são rotineiramente chamados a decidirem questões que envolvem interesses da BM&FBovespa".

"Trocando em miúdos, como funcionários da BM&FBovespa que receberam milhões em stock options podem, quando alçados a integrar função de diretor e/ou presidente, julgar no Colegiado da CVM, de forma imparcial e isenta, questões afetas ao interesse da BM&FBovespa, sendo esta sua antiga empregadora e/ou patroa?," acusa a TOV no documento.

Procurada, a CVM informou que "não foi cientificada e, neste momento, não tem nenhum comentário a fazer". A ex-presidente Maria Helena Santana também disse não ter sido notificada.

A briga da TOV com a BM&FBovespa é antiga e conhecida no mercado financeiro. A TOV era sócia patrimonial efetiva da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) desde 2001, condição que a permitia operar, mas não de forma direta. Em 2004, a corretora comprou por R$ 3 milhões um título de Corretora de Mercadorias da corretora Múltipla, do ex-presidente da BM&F Manoel Felix Cintra Neto. Com esse título, ela poderia ter acesso direto ao pregão, com cinco operadores. No entanto, pouco depois a TOV teve seu ingresso vetado pelo Conselho de Administração da BM&F, o que desencadeou uma batalha judicial. Em 2007, a Justiça determinou que a corretora fosse admitida pela bolsa.

Na época da desmutualização das bolsas, a corretora fez parte de um grupo de sócios efetivos da BM&F que contestou a fusão com a Bovespa. Entre outros pontos, eles afirmavam que o valor de seus títulos patrimoniais - que seriam convertidos em ações - estava desatualizado, o que afetaria sua participação na oferta pública prévia à união das bolsas. Até hoje as disputas entre as companhias continuam sendo recorrentes, com questionamentos e acusações mútuas na CVM. (Mariana Durão)


E nós aqui reclamando que a CVM não faz nada.

Jul 19, 2012 19:13
KG Forista Assíduo
Mensagens: 1829
KG
Registrado em:
Nov 24, 2007 23:04
 
 
Ohando no mapinha o negócio fica mais assustador.

19/07/12 - 17h34
Operadoras de telefonia falharam, diz governo
Ministro interino não considera que as empresas tenham sido ‘surpreendidas’
Danilo Fariello

http://oglobo.globo.com/economia/operad ... no-5526416

Jul 20, 2012 12:48
doc holliday Forista Assíduo
Mensagens: 108
Avatar do usuário
Registrado em:
Jun 05, 2012 9:40
 
 
Operadores esperam que China corte compulsório no fim de semana

SÃO PAULO - Expectativas de que o banco central chinês irá cortar a taxa de compulsório dos bancos fortaleceram-se nesta sexta-feira, na medida em que as taxas de empréstimo de curto prazo da China continuaram subindo em meio a um persistente aperto do mercado monetário.

Muitos operadores esperam que o Banco do Povo da China, o banco central do país, anuncie um corte na taxa de compulsório neste fim de semana, uma vez que as condições de liquidez não devem melhorar muito nas próximas semanas. Os bancos chineses aumentaram os empréstimos em resposta à apelação do governo para ajudar a estabilizar o lento crescimento econômico, pressionando a liquidez, afirmaram operadores.

A oferta de dinheiro também será afetada por grandes quantidades de recompras de títulos reversos que vencem na semana que vem, assim como pagamentos para atingir exigências regulatórias no final do mês.

"Poucos esperam que as condições de liquidez melhorem, a menos que o banco central corte a taxa de compulsório no final de semana, depois que os principais bancos aumentaram os empréstimos para apoiar a economia", afirmou um operador de um grande banco estatal chinês em Xangai.

O BC chinês reduziu o compulsório dos bancos duas vezes, em fevereiro e maio, e baixou a taxa de juros oficial também duas vezes, em junho e julho

http://www.infomoney.com.br/china/notic ... fim+semana

Jul 20, 2012 13:00
KG Forista Assíduo
Mensagens: 1829
KG
Registrado em:
Nov 24, 2007 23:04
 
 
20/07/12 - 10h29
Eurogrupo aprova resgate de até 100 bilhões de euros a bancos da Espanha
Dinheiro só será liberado após análise sobre situação dos bancos espanhóis
REUTERS

http://oglobo.globo.com/economia/eurogr ... ha-5532757

Jul 20, 2012 13:45
sabervalores Estreante
Mensagens: 19
sabervalores
Registrado em:
Jul 12, 2012 12:49
 
 
Essa história não acaba mais, estão se afundanado cada vez mais, se continuar assim por muito tempo, bem provável que cada país voltará logo a ter a sua própria moeda novamente.

Jul 20, 2012 14:02
doc holliday Forista Assíduo
Mensagens: 108
Avatar do usuário
Registrado em:
Jun 05, 2012 9:40
 
 
FMI: economia brasileira vai acelerar, mas inflação preocupa

http://br.reuters.com/article/businessN ... 4920120720

Jul 20, 2012 14:54
doc holliday Forista Assíduo
Mensagens: 108
Avatar do usuário
Registrado em:
Jun 05, 2012 9:40
 
 
IPCA-15 acelera mais que esperado e sobe 0,33% em julho

BRASÍLIA/SÃO PAULO, 20 Jul (Reuters) - O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) subiu 0,33 por cento em julho, acima das expectativas, mas na avaliação de analistas essa alta não altera a perspectiva de corte da taxa Selic em agosto.
Se a aceleração vista em julho se mostrar como uma tendência, no entanto, o Banco Central pode vir a rever sua estratégia de queda dos juros a partir de outubro, avaliaram nesta sexta-feira analistas ouvidos pela Reuters.
Pesquisa realizada pela Reuters apontou que o indicador avançaria 0,18 por cento neste mês, de acordo com a mediana das previsões de 23 analistas. As estimativas variaram de 0,12 a 0,25 por cento.
A variação deste mês do IPCA-15 --que é uma prévia da inflação oficial do país e foi divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta manhã-- também foi maior do que a alta registrada em junho, de 0,18 por cento. No acumulado dos últimos 12 meses, o IPCA-15 subiu 5,24 por cento --nos 12 meses encerrados em junho a alta foi de 5,00 por cento.
Para o economista-chefe da PlannerProsper, Eduardo Velho, a guinada do IPCA-15 é um sinal do repasse de preços do atacado para o varejo previsto para ocorrer entre agosto e outubro. "Talvez nem o BC estivesse esperando por essa alta", afirmou.
"A princípio, o BC seguirá reduzindo a Selic, mas essa inflação mais alta pode começar a levantar dúvidas sobre se o BC continuará cortando os juros também em outubro", disse, acrescentando que isso dependerá da velocidade e da intensidade do repasse de preços nos próximos meses.

CLIMA

Segundo o IBGE, os principais destaques deste mês foram os grupos Despesas Pessoais e Alimentação. O primeiro registrou alta de 0,92 por cento em julho, a maior entre todos os grupos analisados, depois de ter subido 0,34 por cento em junho.
Por sua vez, a alta de 0,88 por cento de Alimentação e Bebidas causou o maior impacto no índice, de 0,20 ponto percentual, respondendo por 61 por cento do IPCA-15 deste mês. Em junho, este grupo subiu 0,66 por cento.
"O clima adverso prejudicou a lavoura de diversos produtos, destacando-se o tomate", disse o IBGE num comunicado, explicando que os preços deste produto subiram 29,30 por cento em julho, depois de terem avançado 19,48 por cento no mês anterior.
Segundo uma fonte do IBGE, que pediu para não ser identificada, o "clima rigoroso" foi, de fato, o principal motivo para a alta maior que o esperado do IPCA-15 de julho.

ALTA ABRANGENTE

Ao analisar os números divulgados, o economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito, destacou que a alta dos preços foi generalizada, abrangendo seis das nove categorias de preços, e que algumas dessas categorias não são influenciadas pela queda da Selic.
Apesar da surpresa com o índice de julho, Perfeito acredita que "devemos sim continuar com quedas na Selic até o patamar de 7 por cento uma vez que os problemas observados nos preços são em grande medida insensíveis à trajetória dos juros".
Mas Silvio Campos Neto, economista da Tendências Consultorias, vê chances menores de um corte do juro básico depois de agosto.
"O problema é que há, na verdade, não só pressão temporária de preços dos alimentos, mas também forte aumento da inflação de serviços, o que indica que alguns elementos da inflação estão mostrando persistência."
A única queda de preços em julho foi registrada pelo grupo Transportes, um recuo de 0,59 por cento, menos intensa que a de 0,77 por cento registrada em junho. Os preços dos automóveis novos caíram 2,47 por cento, ainda sob efeito da redução do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI).
O resultado do IPCA-15 confirma que os preços vêm acelerando, como já haviam mostrado outros indicadores de inflação.
Nesta semana, a Fundação Getulio Vargas (FGV) informou que o Índice Geral de Preços-10 (IGP-10) registrou elevação de 0,96 por cento em julho, após alta de 0,73 por cento em junho. O resultado foi influenciado sobretudo pelos preços no atacado.
E o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) acelerou para uma alta de 1,11 por cento na segunda prévia de julho, ante elevação de 0,63 por cento no mesmo período de junho.
Em junho, o IPCA --usado como meta oficial de inflação, de 4,5 por cento, com margem de dois pontos percentuais para mais ou menos-- havia desacelerado para uma alta de 0,08 por cento, menor variação em quase dois anos . O IPCA de julho será divulgado pelo IBGE no dia 8 de agosto.
Ao analisarem na quinta-feira a ata da reunião da semana passada do Comitê de Política Monetária, economistas disseram que ela indicou que deve haver pelo menos mais um corte na taxa básica de juros em seu próximo encontro, em agosto.
O Copom voltou a destacar na ata que o processo de redução da Selic deve ser feito com "parcimônia". Na semana passada, o comitê reduziu a Selic em 0,50 ponto percentual, para a nova mínima recorde de 8 por cento ao ano, o oitavo corte seguido desde agosto passado, quando começou o processo de afrouxamento monetário.

(Reportagem de Camila Moreira, em São Paulo, e Luciana Otoni, em Brasília; reportagem adicional de Rodrigo Viga Gaier, no Rio de Janeiro)

http://br.reuters.com/article/businessN ... dChannel=0

Jul 21, 2012 13:19
Mojo Man Forista Assíduo
Mensagens: 752
Avatar do usuário
Registrado em:
Jun 17, 2010 21:31
 
 
http://www.jb.com.br/pais/noticias/2012 ... da-anatel/

Técnico suspeita de interesses políticos na decisão da Anatel


Jornal do BrasilCarolina Mazzi e Luciano Pádua
Publicidade

A decisão da Anatel de suspender as vendas da operadora de celulares Tim em 19 unidades da federação continua repercutindo entre os técnicos do setor e já há quem suspeite de interesses escusos por detrás das medidas.

Tiago Nunes da Costa, diretor da consultoria de telecomunicações Evolucomm, que há mais de 20 anos atua como técnico neste setor, classifica a decisão como “política” e questiona os motivos que levaram a Agência a atingir duramente apenas a operadora controlada pelos italianos.

“A decisão foi muito política, e não técnica, considerando que a Vivo não foi punida, mas tem problemas de cobertura e atendimento. Por quê não entrou?”, questionou.

Na sua avaliação, se o desempenho fosse medido com a mesma metodologia, todas as empresas seriam punidas.

Ele também levanta a hipótese de manipulações no concorrido jogo do mercado de ações, dada a queda no preço do papel da operadora, cujos papéis ordinários na quinta-feira caíram 8,77% e na sexta-feira continuaram em baixa, desvalorizando-se 1,04%, fechando o dia cotados em R$ 8,54.

“Existem indícios de uma possível manipulação de preços das ações. Alguém pode estar se favorecendo deste movimento”, alega.

As ações das operadoras que têm capital aberto na Bolsa de Valores de São Paulo encerraram o pregão desta sexta-feira (20) com sinais mistos. Os papéis da Vivo, cujos ativos são representados pela Telefonica, fecharam em alta de 5,03%. Os papéis ordinários e preferenciais da Oi também avançaram, 0,90% e 0,31%.

Já os ativos ordinários e preferenciais da Tim recuaram 1,04% e 0,51%, respectivamente, ampliando a perda da empresa no mês.

Anatel

Ao insistir na falta de critérios técnicos, o diretor da Evolucomm lembrou que na composição da diretoria da Anatel prevalecem as indicações políticas. “Nos últimos anos saíram muitos técnicos e entraram muitas pessoas com indicações políticas”, contou.

Sem defender as operadoras, o técnico também admite que elas encontram dificuldades na prestação de seus serviços.

“Os clientes não fazem ideia dos problemas que as operadoras têm com sinal e para instalar antenas. Existe a burocracia e a dificuldade em renovar a tecnologia que acabam prejudicando o sinal. É impossível que as operadoras tenham 100% de sinal, há muitos pontos de sombra”, detalhou.

Os pontos de sombra são espaços onde a cobertura de uma operadora é fraca. Segundo Costa, não há lei que defina um critério sobre a quantidade de áreas de sombra que cada empresa pode ter em seu mapa de cobertura. Ele apontou que isso permite ao Procon punir as companhias sem o rigor adequado.

Comunicado

Em comunicado, divulgado na noite desta sexta-feira, a Tim afirmou que voltará a se reunir com a Anatel na próxima semana, em Brasília, para apresentar um plano de melhorias na qualidade de seus serviços. Ainda, confirmou que entrou com mandado de segurança contra a suspensão da Anatel nesta sexta-feira.

Na nota, a Tim também informa que investirá “cerca de R$ 3 bilhões” em rede em 2012.

Jul 23, 2012 13:54
doc holliday Forista Assíduo
Mensagens: 108
Avatar do usuário
Registrado em:
Jun 05, 2012 9:40
 
 
A bolsa de Nova York vem concorrer com a Bovespa

http://exame.abril.com.br/revista-exame ... ana?page=1

AnteriorPróximo

Voltar para Geral

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 3 visitantes