Bem-vindo: Jul 24, 2017 16:37

Set 10, 2012 15:41
Bochica Estreante
Mensagens: 72
Cosan - CSAN3
Bochica
Registrado em:
Abr 28, 2012 17:00
 
 
Nova Força no Curto Prazo!

ITAU recomenda COMPRA das ações CSAN3 (Cosan ON), com base nos seguintes pontos:

- A CSAN3 segue em tendência de alta no curto prazo e médio prazo, e rompeu a importante resistência em 34,25. Com isso, o ativo ganha nova força no curto prazo em busca dos objetivos em 37,25 e 41,75 (médio prazo);

- Indicadores MACD e TRIX continuam sinalizando alta.
- O Ibovespa vem mostrando recuperação, após superar as resistências em 58.000 e 58.900 pontos;

É importante ressaltar que o ativo possui importante suporte em 32,60 que sustenta essa tendência de alta. Se perder este suporte, Itaú recomenda encerrar a operação.

Set 25, 2012 11:07
nope Forista Assíduo
Mensagens: 1447
nope
Registrado em:
Jan 21, 2011 15:50
 
 
EXCLUSIVO-Índia importa açúcar pela 1a vez em 2 anos; compra do Brasil

MUMBAI/CINGAPURA, 25 Set (Reuters) - Usinas indianas assinaram acordos para comprar até 450 mil toneladas de açúcar bruto do Brasil para entrega de outubro a dezembro, à medida que aumenta a diferença entre os preços domésticos e os exteriores, abrindo espaço para a primeira importação em mais de dois anos, disseram cinco operadores à Reuters.

Usineiros a oeste e sul da Índia e tradings globais compraram açúcar por cerca de 500 dólares por tonelada, custo e frete, enquanto o preço no mercado doméstico subiu mais de 23 por cento, para 680 dólares por tonelada, nos últimos três meses, disseram operadores nesta terça-feira.

A Índia, segundo maior produtor mundial depois do Brasil, importou a commodity pela última vez em 2009/10, levando os preços globais a máximas de 30 anos. O país do sul asiático tem exportado açúcar por dois anos consecutivos, uma vez que a produção superou a demanda, e a mudança para as importações pode elevar os preços globais de açúcar.

Os futuros da commodity na bolsa de Nova York operaram em alta na segunda-feira, com chuvas no Brasil, principal produtor global. Um esperado aumento da oferta global, no entanto, manteve o mercado perto da mínima de dois anos, a 18,81 centavos atingida em 6 de setembro.

Nesta terça-feira, por volta das 9h15 (horário de Brasília), o contrato outubro em Nova York era cotado a 19,69 centavos por libra-peso, com alta de 0,9 por cento.

"A diferença de preço é tão alta que apesar de calcular o processamento e custos de operação, importadores podem ter lucros de mais de 60 dólares por tonelada", disse um operador baseado em Mumbai, de uma traindo global.

A Índia deve produzir um excedente pelo terceiro ano consecutivo a partir de 1o de outubro, mas a produção deve cair fortemente no Estado de Maharashtra, afetado pela seca.

"As usinas em Maharashtra não devem ter cana-de-açúcar suficiente. Por isso elas estão buscando açúcar bruto para utilização da capacidade instalada", disse Ramal Jacina, diretor da corretora Ramal Jacina Traindo Servires.

A Índia, maior consumidor mundial de açúcar, atualmente cobra uma taxa de 10 por cento sobre as importações de açúcar bruto, mas isso pode ser dispensado caso a usina tenha exportado a mesma quantia de açúcar dentro de três anos, disse Jacina.

A produção de açúcar indiana em 2012/13 deve cair para 24 milhões de toneladas, ante as 26 milhões há um ano.

A Tailândia está cotando altos preços comparado com o Brasil, estimulando a Índia a obter toda a oferta do Brasil, disseram operadores.

:arrow: http://g1.globo.com/economia/noticia/20 ... sil-1.html

Set 27, 2012 9:24
qqhum Forista Assíduo
Mensagens: 914
Avatar do usuário
Registrado em:
Jul 11, 2011 17:26
 
 
Raízen prevê moagem de até 56 milhões de toneladas de cana em 2012/13

Por Fabiana Batista | Valor

SÃO PAULO - A Raízen, a maior empresa sucroalcooleira do país, resultado de uma joint venture entre Cosan e Shell, deve processar entre 55 milhões e 56 milhões de toneladas de cana-de-açúcar neste ciclo 2012/13, segundo o vice-presidente de Açúcar e Etanol da empresa, Pedro Mizutani.

Até então, a companhia previa que sua moagem atingiria até 55 milhões de toneladas. “Essa perspectiva de maior processamento está em linha com todo o Centro-Sul que também teve elevada sua projeção de 509 milhões para 518 milhões de toneladas”, explicou Mizutani, em evento hoje em São Paulo.

A produção de açúcar da Raízen deve atingir 4 milhões de toneladas e a de etanol, em torno de 1,9 bilhão de litros, ambos o volumes dentro das metas divulgadas pela empresa no início da safra.

Para o próximo ciclo, o 2013/14, Mizutani vislumbra um aumento de moagem em todo o Centro-Sul. “O potencial é para uma safra no ano que vem entre 560 milhões e 580 milhões de toneladas”, projeta. A Raízen, segundo ele, deve acompanhar o mesmo nível de avanço da região.


© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A.

Leia mais em: http://www.valor.com.br/empresas/284561 ... z27fV4Tuk3

Set 29, 2012 22:43
Bochica Estreante
Mensagens: 72
Raízen inaugura fábrica de envase de Arla 32 no Paraná
Bochica
Registrado em:
Abr 28, 2012 17:00
 
 
http://noticias.r7.com/economia/noticias/raizen-inaugura-fabrica-de-envase-de-arla-32-no-parana-20120928.html

A Raízen, joint venture entre a Shell e a Cosan, inaugura, na próxima terça-feira, em Araucária (PR), sua primeira fábrica para envase do Shell Evolux Arla 32, aditivo utilizado no catalisador dos motores a diesel fabricados a partir de 2012. A função do Arla 32 é contribuir para que os veículos que usam o diesel com baixo teor de enxofre, o S-50, reduzam em até 80% a emissão de materiais particulados na atmosfera. Segundo Leonardo Piuzana Alvares, gerente de Projetos de Infraestrutura da Raízen, a empresa investiu R$ 2 milhões para construção da planta, que fica ao lado da fábrica da Fosfértil, da Vale Fertilizantes, que produz o Arla para a Raízen. O produto envasado em Araucária atenderá os mercados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. A planta da Raízen tem capacidade de envase mensal de 1 milhão de litros. "O mercado ainda não está desenvolvido o suficiente para justificar esta capacidade ainda", disse o executivo. A utilização do Arla foi introduzida em janeiro de 2012 juntamente com o diesel de baixo teor de enxofre, o S-50 (50 partes por milhão de enxofre). Porém, a expectativa é de que sua utilização deva crescer rapidamente. A Raízen projeta um mercado potencial de 2 bilhões de litros até 2010, com a empresa detendo uma fatia do mercado de 100 milhões por ano em 5 anos, o que deve gerar uma receita de cerca de R$ 250 milhões. A aplicação do Arla 32 nos caminhões e ônibus tem como objetivo reduzir a emissão do óxido e dióxido de nitrogênio, gases tóxicos provenientes da queima do diesel, atendendo ao Programa de Controle de Emissões Veiculares (Proconve 7), instituído pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), equivalente ao Euro 5, que já vigora na Europa e em outros países. Atualmente, o consumo se concentra em São Paulo e em Minas Gerais. "O consumo de São Paulo já é atendido pela fábrica de Araucária. Para Minas Gerais, estamos analisando investimentos em outra planta de envase. Por enquanto, utilizamos o serviço de terceiros", disse Alvares. Segundo o executivo, estima-se que para cada 100 litros de diesel S-50 serão necessários cinco litros de Arla. "O Arla não é misturado ao diesel mas colocado no catalisador do veículo", explica. O Arla está sendo vendido em embalagens de 10, 20, 200 e 1.000 litros na rede de postos Shell. A expectativa é de que, em breve, pequenos caminhões vendam o aditivo a granel para clientes que possuem boa demanda pelo produto, como concessionárias e transportadoras. Além da Arla 32, a Raízen também comercializará o diesel S-50, produto que batizou de Shell Evolux Diesel, em cerca de 300 postos da sua rede localizados nas principais estradas do Brasil. O diesel S-50 oferece uma economia de 5% a 7% em relação ao S-500, com a utilização do Shell Evolux Arla proporcionando uma economia extra de mais 3%.

Out 05, 2012 9:13
Bochica Estreante
Mensagens: 72
Presidente da Petrobras defende 25% de etanol na gasolina
Bochica
Registrado em:
Abr 28, 2012 17:00
 
 
http://www.infomoney.com.br/petrobras/noticia/2578320/Presidente-Petrobras-defende-etanol-gasolina

SÃO PAULO - A presidente da Petrobras (PETR3; PETR4), Maria das Graças Foster, defendeu nesta quinta-feira (4) o aumento da mistura de etanol na gasolina dos atuais 20% para 25%, aliviando as importações do combustível pela estatal.

"Assim que o etanol voltar a ocupar novamente 25%, nós ficaremos muito satisfeitos porque o perfil das nossas novas refinarias é para a produção de diesel, que tem uma demanda no Brasil impressionantemente grande ... Então, a melhor solução para a gasolina é o etanol voltando a 25%, aí a gente importa menos gasolina", disse Graça Foster, como prefere ser chamada, durante coletiva de imprensa em evento em São Paulo nesta quinta-feira.


O especialista em energia e diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura, Adriano Pires, disse à Reuters que um aumento imediato da mistura de etanol na gasolina em cinco pontos percentuais (de 20% para 25%) permitiria à Petrobras reduzir pela metade as atuais importações de gasolina, o que provocaria uma grande melhora para as finanças da estatal.

As compras externas de gasolina pela estatal estão em 80 mil barris diários e poderiam cair para 40 mil barris por dia.

Veja mais: Petrobras diz que voltará a produzir 2 mi de barris por dia em novembro.

Segundo Pires, entre 1º de outubro e 25 de dezembro tradicionalmente aumentam o consumo e as importações de gasolina, devido à atividade econômica do país.

A estatal importa o combustível por preços maiores do que revende no mercado interno porque o governo, controlador da Petrobras, não permite o repasse da volatilidade dos preços do petróleo para os combustíveis.

Para aliviar as perdas da estatal, que anunciou prejuízo de R$ 1,3 bilhão no 3º trimestre, o primeiro em 13 anos, o governo federal tem dado sinais de que pode tomar ainda este ano uma decisão sobre o aumento da mistura de etanol na gasolina, que poderia entrar em vigor em 2013.

Out 13, 2012 12:40
Bochica Estreante
Mensagens: 72
Governo deve elevar mistura de etanol na gasolina até junho
Bochica
Registrado em:
Abr 28, 2012 17:00
 
 
http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,governo-deve-elevar-mistura-de-etanol-na-gasolina-ate-junho-de-2013,130287,0.htm

Sabrina Valle, da Agência Estado

Segundo a ANP, prazo pode ser antecipado caso haja oferta suficiente; mistura no combustível passará de 20% para 25%

RIO - O diretor da Agência Nacional do Petróleo (ANP) Helder Queiroz confirmou para 1º de junho a data prevista pelo governo para elevar a mistura de etanol anidro na gasolina, com o prazo podendo ser antecipado caso haja oferta de etanol suficiente para atender à demanda.

Queiroz, no entanto, declinou de comentar detalhes, já que o assunto não é de sua competência dentro da agência. O ministério de Minas e Energia teria estabelecido, há algumas semanas, o prazo para o aumento da mistura de 20% para 25% em 1º de junho, mas não fez o anúncio oficial.

A elevação da mistura poderia ser antecipada em um par de meses a depender do resultado da próxima safra, que se inicia em abril. O aumento da mistura vai ao encontro dos anseios da Petrobrás, já que haveria redução do consumo de gasolina. Para atender ao mercado interno, a Petrobrás está importando volumes grandes de gasolina no mercado exterior a preços acima dos praticados internamente, tendo prejuízo na área.

Out 15, 2012 13:16
Bochica Estreante
Mensagens: 72
Ações de Cosan caem com possível queda no preço da gasolina
Bochica
Registrado em:
Abr 28, 2012 17:00
 
 
http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/2583919/Acoes-Ultrapar-Cosan-desabam-com-possivel-queda-preco-gasolina

Governo estuda reduzir preço da gasolina cobrada na bomba pela BR distribuidora, forçando os outros players do setor a fazer o mesmo

Por Thiago Salomão |10h58 | 15-10-2012

SÃO PAULO - Mais um setor tem sido penalizado na bolsa com a possibilidade de intervenção governamental. As ações das distribuidoras de combustível Cosan (CSAN3) e Ultrapar (UGPA3) lideram as perdas do Ibovespa nesta segunda-feira (15), diante da expectativa de que o governo reduza os preços da gasolina cobrados na bomba de combustível pela distribuidora BR, forçando as empresas privadas do setor a seguirem o mesmo caminho.

Segundo informação publicada por Guilherme Barros, do blog da IstoÉ Dinheiro, o governo já cogita essa possibilidade, podendo utilizar a BR - maior distribuidora de derivados de petróleo no País - da mesma for que fez com o Banco do Brasil (BBAS3) e a Caixa para reduzir os juros cobrados - com os bancos públicos reduzindo juros e cortando tarifas, as insituições financeiras privadas seguiram a mesma trajetória para manterem a participação de mercado. O fato foi mal recebido pelos investidores, provocando uma forte queda nas ações de bancos nos últimos dias.

Com a BR dando um desconto na venda de combustíveis aos postos com a sua bandeira, outras distribuidoras como a Ipiranga (Ultrapar) e Raízen (Cosan) seriam forçadas a seguir o mesmo caminho. A notícia, de fato, não é bem vista pelo mercado: às 10h53 (horário de Brasília), as ações da Ultrapar recuavam 3,85%, valendo R$ 44,23 - mais cedo, esses papéis chegaram a registrar queda de 7,28%, quando eram negociados a R$ 42,65. Já os ativos da Cosan mostram desvalorização de 3,19%, indo aos R$ 37,37.

"Embora ainda seja um rumor, a notícia acaba sendo mal vista pelo mercado, principalmente pela atuação recente do governo em outros setores da economia", disse o analista de um banco estrangeiro que pediu para não ser identificado.

Reajuste mais próximo para a Petrobras?
Ainda segundo a publicação de Guilherme Barros, o objetivo da redução de preços direto na bomba é abrir espaço para que a Petrobras (PETR3, PETR4) possa aumentar mais uma vez o preço cobrado na refinaria sem que isso tenha impacto na inflação, que encontra-se acima do centro da meta. No entanto, o impacto dessa novidade nas ações da petrolífera não foi o mesmo daquele visto na Ultrapar e Cosan: no mesmo horário, a Petro via suas ações prefenciais subirem apenas 0,31%, para R$ 22,57, enquanto as ordinárias tinham alta de 0,39%.

Out 15, 2012 13:25
Bochica Estreante
Mensagens: 72
S&P revises Cosan outlook to positive
Bochica
Registrado em:
Abr 28, 2012 17:00
 
 
http://www.reuters.com/article/2012/10/11/idUSWNA735820121011?type=companyNews&feedType=RSS&feedName=companyNews&rpc=43

Overview
-- Brazil-based conglomerate Cosan continues to grow and diversify its portfolio through acquisitions.
-- We are revising the outlook to positive from stable and affirming our 'BB' global scale ratings on Cosan.
-- The positive outlook reflects the possibility that we may upgrade the company if it's able to consolidate acquired operations, boosting cash flows and using excess cash to pay down debt.


Rating Action
On Oct. 11, 2012, Standard & Poor's Ratings Services revised the outlook on Cosan S.A. Industria e Comercio and its controlling company, Cosan Ltd. (jointly referred to as Cosan) to positive from stable. At the same time, we affirmed our 'BB' global scale ratings on the company.


Rationale
The outlook revision reflects our view that the company improved its business risk profile after it acquired several gas and fuel distributors and increased its logistics operations, which, in our opinion, result in more stable sources of cash flows. At the same time, we believe that the acquisitions, which Cosan financed with long-term funding with favorable debt amortization profile, will result in higher cash flow generation.

We now assess the company's business risk profile as "satisfactory." We consolidate into the company's numbers all the entities over which it has the full control, access to cash position and cash flows, and decision over dividends. These entities are:
-- Lubricant business, Cosan Combustiveis e Lubrificantes S.A.;
-- Land operations business, Radar (not rated), which is expected to be consolidated into Cosan's figures in 2013;
-- Logistics operations business, Rumo (not rated);
-- Comgas (not rated), in which Cosan will hold a 60% stake.
-- Our pro forma figures exclude the cash flows from its sugar retail business, which Cosan sold to Camil Alimentos S.A. (BB-/Positive/--). The completion of the sale is expected during the third quarter of 2013.

We incorporate the solid business profile of Raizen (Raizen Combustiveis S.A. and Raizen Energia S.A.; BBB/Stable/--) in our analysis of Cosan. Half of Raizen's results are consolidated on Cosan's balance sheet. However, we analyze Raizen as a separate entity because Cosan doesn't have the full access to its cash position and cash flows and we expect Raizen to fund itself as an independent company. We view Raizen's dividend upstream, which we estimate at about R$400 million in 2013, as a source for Cosan's debt repayment because they represent a stable source of cash flow.

We assess Cosan's financial risk profile as "significant." Excluding Raizen's results, Cosan's leverage ratios are high for the rating category: total adjusted debt to EBITDA of about 6.4x in 2013 and 5x in 2014, which includes the 100% debt-financed acquisition of Comgas. The consolidated figures show this ratio close to 4.2x in fiscal 2013 and 3.7x in fiscal 2014. If we look at Cosan's stand-alone figures, adding only the dividends from Raizen, leverage would be close to 5x in 2013 and less than 4x in 2014. We don't foresee any refinancing risk due to an EBITDA generation of about R$1.4 billion, bolstered by Raizen's cash dividends, and annual debt maturities of about R$1 billion. Moreover, Cosan has been able to refinance a portion of its debt maturities while sustaining a capital structure with a long-term profile.

We estimate the subsidiaries' cash flows to gradually increase due to the ramp-up of its logistics assets and the expansion of Comgas's distribution network and the lubricants business's international and domestic sales. We adjust Cosan's debt by renegotiated taxes and leasing agreements, and adjust EBITDA by subtracting Raizen's crop treatment and biological assets, which result in considerably different ratios from those the company reports.


Liquidity
We view Cosan's liquidity as "adequate." In our liquidity analysis, we incorporate the approved credit lines from Brazilian Development Bank (BNDES) to fund Cosan's infrastructure projects, including the expansion of its railroad and storage capacity at Rumo and Comgas's distribution networks. We also assume that Cosan won't inject additional equity into its subsidiaries, as each one is operated and funded independently.

Sources of cash includes a cash position of about R$1 billion (excluding the 50% stake in Raizen), annual funds from operations (FFO) of more than R$800 million, annual dividends of about R$400 million from Raizen, and BNDES loans of about R$600 to R$700 million, which account for about 60% of the new projects' funding. We believe that the expansion capex is discretionary and would only be accomplished with access to adequate long-term funding. Uses of cash include annual capital expenditures of about R$1 billion, short-term debt maturities of around R$1 billion, and dividends distribution of R$200 million
- R$250 million. We also assume that Cosan will finance the Comgas's acquisition with long-term funding. We expect sources of cash to exceed uses by more than 1.2x in the next 12-18 months. We also expect sources to continue exceeding uses even if EBITDA declines by 20%.

The company has comfortable headroom under its covenant triggers, due to the dividend upstream from Raizen, which will receive a capital infusion of $540 million from one of its main shareholders, Royal Dutch Shell, by the end of fiscal 2013 (ending March 2013).


Outlook
The positive outlook reflects our expectation that we could upgrade Cosan if it maintains pro forma adjusted debt to EBITDA of less than 3.5x and adequate liquidity amid its expansion. The smooth debt amortization profile and expected higher cash flows should contribute to stronger leverage metrics following the Comgas acquisition. We could take a negative rating action or revise outlook to stable if an acquisition depletes liquidity and increases leverage, pressuring cash flows and increasing refinancing risk. We could also revise the outlook back to stable if the company doesn't deleverage as we expect in the next 12 to 18 months. This could happen if it fails to increase cash flows or use excess cash to increase dividend payments or for additional acquisitions, instead of paying down debt.

Related Criteria And Research
-- Criteria Methodology: Business Risk/Financial Risk Matrix Expanded, Sept. 18, 2012
-- Methodology And Assumptions: Liquidity Descriptors For Global Corporate Issuers, Sept. 28, 2011
-- 2008 Corporate Criteria: Ratios And Adjustments, April 15, 2008



Ratings List
Ratings Affirmed

Cosan Overseas Limited
Senior Unsecured BB

Cosan S.A. Industria e Comercio
Senior Unsecured BB

Ratings Affirmed; CreditWatch/Outlook Action
To From
Cosan Combustiveis e Lubrificantes S.A.
Cosan S.A. Industria e Comercio
Cosan Ltd.
Corporate Credit Rating BB/Positive/-- BB/Stable/--

Complete ratings information is available to subscribers of RatingsDirect on the Global Credit Portal at www.globalcreditportal.com. All ratings affected by this rating action can be found on Standard & Poor's public Web site at www.standardandpoors.com. Use the Ratings search box located in the left column.

Out 15, 2012 13:34
SALCEDO Forista VIP
Mensagens: 9247
Avatar do usuário
Registrado em:
Jun 01, 2012 21:55
 
 
Ações da Ultrapar e Cosan desabam com possível queda no preço da gasolina
Governo estuda reduzir preço da gasolina cobrada na bomba pela BR distribuidora, forçando os outros players do setor a fazer o mesmo.

http://www.infomoney.com.br/mercados/ac ... o-gasolina

Out 16, 2012 9:01
Bochica Estreante
Mensagens: 72
Legg Mason aumenta posição em Cosan
Bochica
Registrado em:
Abr 28, 2012 17:00
 
 
http://www.infomoney.com.br/onde-investir/fundos-de-investimento/noticia/2584303/Legg-Mason-aumenta-posicao-Cosan-nos-fundos-retorno-absoluto

Por Gabriella D'Andréa |17h04 | 15-10-2012

SÃO PAULO – A gestora Legg Mason aumentou sua posição em Cosan e diminuiu em Randon e Itaú, trocando a última por Banrisul, em seus fundos de retorno absoluto. Devido ao bom resultado, foram mantidas as posições em Magazine Luiza, Petrobras, Vale e HRT.

Cosan (CSAN3) – Esperava-se que a empresa iria se beneficiar do aumento de suas frotas e da melhoria operacional da divisão em seu processo de distribuição de combustível. Os resultados mostraram que o mercado precificou a Cosan, e sua rentabilidade chegou a 9,6% no mês passado.

Out 16, 2012 9:09
Bochica Estreante
Mensagens: 72
Queda das ações de Ultrapar e Cosan não se sustenta
Bochica
Registrado em:
Abr 28, 2012 17:00
 
 
Segue a analise de Itaú respeito da queda das ações de Cosan e Ultrapar.

A revista “Isto é” divulgou neste final de semana uma notícia, dando conta de que o governo estaria estudando reduzir o preço do diesel e da gasolina nas bombas, fazendo com que a BR Distribuidora (companhia distribuidora da Petrobras – PETR4) venda a preços menores para os postos de gasolina, forçando outras empresas, como Cosan (CSAN3) e Ultrapar (UGPA3) a seguir a redução. As ações de ambas as empresas foram afetadas pela notícia e, por volta das 10h50, eram as que mais caíam na Bovespa: UGPA3 registrava queda de 4% e CSAN3 perdia perto de 3%.

A analista de petróleo e petroquímicos, Paula Kovarsky, observa que essa não é a primeira vez que a empresa menciona essa possibilidade. Para a analista, a estratégia não faz sentido e é questionável, tendo em vista que:

1) A margem Ebitda dos produtos de petróleo é de apensa 3%. Mesmo se essa margem for cortada pela metade, o impacto de preço na bomba seria de apenas 1%, o que seria praticamente imperceptível do ponto de vista do consumidor.

2) A distribuição não é regulada no Brasil. Em outras palavras, se a Petrobras forçar a BR Distribuidora a reduzir seus preços para os postos de gasolina, não necessariamente os donos desses estabelecimentos vão querer repassar toda a redução para o consumidor.

3) A Petrobras teria que praticar dumping para forçar uma redução significativa dos preços no mercado. Contudo, isso significaria uma perda de dinheiro para a companhia, num momento em que ela precisa justamente de uma melhoria em seus resultados, após ter registrado prejuízo no segundo trimestre.

Ao conversar com executivos da Cosan e da Ultrapar, Paula ouve de ambas as empresas que a BR Distribuidora tem sido bastante diligente com os preços, o que tem ajudado o setor como um todo.

A analista reitera sua recomendação de outperform (desempenho acima da média do mercado) tanto para Cosan, quanto para Ultrapar, com preço justo de R$ 51,3 e de R$ 58 por ação, respectivamente, para o final de 2013.

Out 16, 2012 9:20
Bochica Estreante
Mensagens: 72
Queda das ações de Ultrapar e Cosan não se sustenta
Bochica
Registrado em:
Abr 28, 2012 17:00
 
 
Segue a analise de Itaú respeito da queda das ações de Cosan e Ultrapar.

A revista “Isto é” divulgou neste final de semana uma notícia, dando conta de que o governo estaria estudando reduzir o preço do diesel e da gasolina nas bombas, fazendo com que a BR Distribuidora (companhia distribuidora da Petrobras – PETR4) venda a preços menores para os postos de gasolina, forçando outras empresas, como Cosan (CSAN3) e Ultrapar (UGPA3) a seguir a redução. As ações de ambas as empresas foram afetadas pela notícia e, por volta das 10h50, eram as que mais caíam na Bovespa: UGPA3 registrava queda de 4% e CSAN3 perdia perto de 3%.

A analista de petróleo e petroquímicos, Paula Kovarsky, observa que essa não é a primeira vez que a empresa menciona essa possibilidade. Para a analista, a estratégia não faz sentido e é questionável, tendo em vista que:

1) A margem Ebitda dos produtos de petróleo é de apensa 3%. Mesmo se essa margem for cortada pela metade, o impacto de preço na bomba seria de apenas 1%, o que seria praticamente imperceptível do ponto de vista do consumidor.

2) A distribuição não é regulada no Brasil. Em outras palavras, se a Petrobras forçar a BR Distribuidora a reduzir seus preços para os postos de gasolina, não necessariamente os donos desses estabelecimentos vão querer repassar toda a redução para o consumidor.

3) A Petrobras teria que praticar dumping para forçar uma redução significativa dos preços no mercado. Contudo, isso significaria uma perda de dinheiro para a companhia, num momento em que ela precisa justamente de uma melhoria em seus resultados, após ter registrado prejuízo no segundo trimestre.

Ao conversar com executivos da Cosan e da Ultrapar, Paula ouve de ambas as empresas que a BR Distribuidora tem sido bastante diligente com os preços, o que tem ajudado o setor como um todo.

A analista reitera sua recomendação de outperform (desempenho acima da média do mercado) tanto para Cosan, quanto para Ultrapar, com preço justo de R$ 51,3 e de R$ 58 por ação, respectivamente, para o final de 2013.

Out 16, 2012 20:28
Bochica Estreante
Mensagens: 72
Redução nas margens da Ultrapar é pouco provável, Citi
Bochica
Registrado em:
Abr 28, 2012 17:00
 
 
http://www.infomoney.com.br/ultrapar/noticia/2585755/Reducao-nas-margens-das-Ultrapar-pouco-provavel-avalia-Citi

Possibilidade do governo forçar setor a não repassar futuro aumento de preço do combustível é baixa, diz analista

Por Paula Barra |18h57 | 16-10-2012

SÃO PAULO - A possibilidade do governo forçar o setor de distribuição de energia a não repassar um futuro aumento de preço do combustível é baixa, estima a Citi Corretora. A medida iria inevitalmente afetar a margem da Ultrapar (UGPA3), cujas as ações caíram fortemente na véspera diante dos rumores e seguem o movimento negativo nesse pregão, embora em menor intensidade.

Segundo o analista Fernando Siqueira, a margem das distribuidoras é pequena e representa entre 4% a 5% do preço da gasolina e entre 3% e 4% do preço do diesel. Caso o governo optasse por mais essa política, ele acredita que poderia desestimular a produção de etanol no Brasil, o que iria contra as indicações recentes do governo.

Conforme algumas notícias divulgadas durante o final de semana, o governo estaria estudando um aumento no preço dos combustíveis nas refinarias sem que essa elevação fosse repassada pelas distribuidoras visando evitar um aumento da inflação, que deve fechar o ano bem acima do centro da meta de 4,5%.

De acordo com os rumores, o governo iria usar a BR Distribuidora, controlada pela Petrobras (PETR3; PETR4), para forçar que o aumento não fosse repassado, já que a companhia detém cerca de um terço do mercado de distribuição de combustíveis no Brasil e caso a empresa não repasse um eventual aumento de preços, as outras distribuidoras dificilmente iriam adotar uma atitude diferente, comenta Siqueira. Porém, ele aponta que a probabilidade dessa medida ser tomada é "baixa".

Na véspera, o presidente da BR Distribuidora, José Lima Neto, disse que desconhece qualquer proposta do governo de fazer com que a empresa dê desconto de combustíveis na bomba.

Diante disso, Siqueira estima que a solução mais provável seja o governo reduzir a cobrança do PIS/COFINS para evitar um aumento da inflação. "Acreditamos que o preço dos combustíveis, principalmente gasolina, serão revisados ainda este ano". disse.

Nov 04, 2012 22:03
Bochica Estreante
Mensagens: 72
Governo teme falta de combustível no país ainda neste ano
Bochica
Registrado em:
Abr 28, 2012 17:00
 
 
http://tools.folha.com.br/print?url=http%3A%2F%2Fwww1.folha.uol.com.br%2Fmercado%2F1179899-governo-teme-falta-de-combustivel-no-pais-ainda-neste-ano.shtml&site=emcimadahora



RENATA AGOSTINI
DIMMI AMORA
DE BRASÍLIA

Algumas regiões do país estão sob ameaça de ficar sem combustível no fim deste ano.

Para evitar o desabastecimento, ou atenuá-lo, o governo federal já começou a traçar um plano de emergência, que envolve a ampliação da capacidade de transporte e de armazenamento.
As reuniões tiveram início em outubro, com técnicos do Ministério de Minas e Energia, Agência Nacional do Petróleo, Petrobras e representantes das distribuidoras e dos produtores de etanol.

"Há uma grande preocupação com o curto prazo. O governo já sabe que será preciso um forte ajuste entre Petrobras e distribuidoras para que não ocorram problemas no fim do ano", diz Antônio de Pádua Rodrigues, presidente da Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar), que participa das reuniões.

Segundo avaliação do grupo, as regiões mais ameaçadas são o Norte, o Nordeste e o Centro-Oeste, além de Minas e Rio Grande do Sul.

A perspectiva de colapso se deve a três fatores: 1) o consumo recorde de gasolina, que, em 2012, pela primeira vez passará de 30 bilhões de litros; 2) a falta de capacidade interna de produção; e 3) problemas de infraestrutura de armazenagem e distribuição.

No fim do ano esse problema se agrava porque, historicamente, o consumo nos meses de novembro e dezembro é cerca de 10% superior à média registrada nos bimestres anteriores.

Para acompanhar a alta da demanda interna, a Petrobras vem importando cada vez mais gasolina. Até setembro, foram 2,4 bilhões de litros, quase o triplo do registrado no mesmo período de 2011, segundo cálculos do Centro Brasileiro de Infraestrutura.

A importação torna a distribuição mais complexa. O transporte da gasolina por navios, já sujeito a intempéries, sofre com a falta de infraestrutura dos portos, hoje sem espaço para atracação e armazenamentos.
Editoria de Arte/Folhapress
CRESCIMENTO DO CONSUMO Em 2011, a demanda por gasolina foi 18% superior a 2010; nos nove primeiros meses do ano, já cresceu 12%

PELO MAR

Pará, Amapá, Maranhão, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte são os Estados mais vulneráveis. Quase todo o combustível que abastece os consumidores desses locais chega pelo mar.

Em outubro, o Amapá ficou sem gasolina. O Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos do Pará relata que houve, também, problemas de abastecimento em Belém, além de cidades do Amazonas e do Piauí.

"A coisa está bem torta aqui", diz Eurico Santos, presidente da entidade.

Para o sindicato, o número de caminhões-tanque não deu conta do aumento rápido do consumo. Além disso, os terminais que recebem combustível reduziram investimentos em ampliação porque estão com contratos provisórios, o que dificulta o acesso ao crédito.

PRODUÇÃO
A Petrobras se empenha para produzir mais gasolina e amenizar o problema. Na apresentação dos resultados do terceiro trimestre, afirmou que suas refinarias já atingiram 98% da capacidade.

Em algumas regiões, no entanto, já há um esgotamento da capacidade de produção.

É o caso da Regap, refinaria em Betim (MG). Para abastecer os postos de parte de Minas Gerais e do Centro-Oeste, ela passou a redistribuir combustível de outras unidades. Atrasos e a falta de caminhões podem levar a interrupções da distribuição.

O mesmo acontece no Rio Grande do Sul, outro Estado que teve crise de abastecimento no mês passado. A refinaria Refap, em Canoas, está com problemas de produção para atender à gasolina demandada. Com isso, passou a buscar combustível no Paraná e parte precisou ser importada, entrando no país via porto do Rio Grande.

O Sindicom (Sindicato dos Distribuidores de Combustíveis), que tem assento nas reuniões com o governo federal, informou que o plano de contingência deverá ampliar o número de caminhões e a capacidade dos tanques de armazenagem.

Os encontros entre governo e o setor serão permanentes até o fim do ano. "Estamos nos empenhando para evitar os problemas", disse Alísio Vaz, presidente do Sindicom.

Procurada pela Folha, a Petrobras afirmou que não iria comentar a questão. O Ministério de Minas e Energia foi procurado no fim da tarde de quinta-feira e, até o fechamento desta edição, não havia dado resposta.

Nov 08, 2012 7:41
ARNALDO WIL Forista Assíduo
Mensagens: 1219
csan3
Avatar do usuário
Registrado em:
Nov 29, 2009 11:36
 
 
Olhem ai pessoal o resultado 2 tr 1213

http://www.valor.com.br/empresas/289645 ... lhoes-no-2

Nov 08, 2012 9:26
Bochica Estreante
Mensagens: 72
Lucro da Cosan quadruplica no 2º tri fiscal
Bochica
Registrado em:
Abr 28, 2012 17:00
 
 
http://www.infomoney.com.br/cosan/noticia/2606175/Lucro-Cosan-quadruplica-tri-fiscal-soma-283-milhoes

Lucro da Cosan quadruplica no 2º tri fiscal e soma R$ 283,2 milhões
Variações no resultado financeiro e a despesa com IR/CS corrente e diferidos explicam o aumento, diz a companhia

Por Mariana Mandrote |8h37 | 08-11-2012


SÃO PAULO - A Cosan (CSAN3) registrou lucro líquido de R$ 283,2 milhões no segundo trimestre fiscal de 2013, encerrado em 30 de setembro. O valor é 348% maior do que os R$ 63,2 milhões apurados no mesmo período do ano fiscal anterior.

Variações no resultado financeiro e a despesa com IR/CS (Imposto de Renda e Contribuição Social) corrente e diferidos explicam o aumento do lucro líquido, conforme afirma a companhia em seu relatório.

A receita líquida da companhia ficou em R$ 7,032 bilhões no período, alta de 3,35% sobre igual período do ano anterior.

O Ebitda (geração operacional de caixa) contabilizou R$ 719,4 milhões, aumento de 6,2% no confronto com o mesmo trimestre do ano-fiscal 2011/12.

Nov 20, 2012 8:56
Bochica Estreante
Mensagens: 72
Dilma diz ver "surto de investimentos" em etanol
Bochica
Registrado em:
Abr 28, 2012 17:00
 
 
http://www.infomoney.com.br/mercados/noticia/2616219/Dilma-diz-ver-surto-investimentos-etanol

Presidente não deu detalhes sobre os motivos que podem provocar a retomada dos investimentos no setor

Por Reuters |16h52 | 19-11-2012


MADRI - A presidente Dilma Rousseff disse nesta segunda-feira (19) que acredita numa nova onda de investimentos em etanol, melhorando a competitividade do setor.

"Eu acredito que nós vamos ter uma retomada de um surto novo de investimentos na área de etanol, porque vai amadurecer e vai melhorar a competitividade", disse Dilma ao participar de abertura de um seminário em Madri, na Espanha.

"(O surto de investimentos) vai renovar dentro do Brasil essa competitividade, que vai melhorar a relação de preço etanol-gasolina", disse ela, citando o elevado valor do etanol.

As usinas brasileiras reclamam que os custos de produção do combustível à base de cana tornam o setor pouco competitivo em relação à gasolina, cujos preços não têm sofrido reajuste nas bombas.

A presidente não deu detalhes sobre os motivos que podem provocar a retomada dos investimentos. Disse apenas que a destinação de recursos federais para o setor agrícola é de cerca de R$ 170 bilhões, em parte reservados à renovação dos canaviais.

Dez 05, 2012 20:17
atoxa Forista VIP
Mensagens: 5272
ATOXA
atoxa
Registrado em:
Out 26, 2012 21:00
 
 
AGORA VAI.

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/11 ... vada.shtml

Quando postei isso no diario os $&#¨#* ficaram no nhe nhe nhé ., i ninguem foi.

Vai da um up zinho :wink:

Dez 10, 2012 17:43
piri Estreante
Mensagens: 39
RAIZEN FECHA EMPRÉSTIMO DE US$450 MI COM 13 BANCOS
Avatar do usuário
Registrado em:
Nov 13, 2012 2:14
 
 
Acho que 2013 será definitivamente mais um bom ano para a Cosan. Aproveitando bem os juros baixos lá fora.

http://www.ecofinancas.com/noticias/ifr ... -13-bancos

Jan 29, 2013 9:50
ARNALDO WIL Forista Assíduo
Mensagens: 1219
csan3
Avatar do usuário
Registrado em:
Nov 29, 2009 11:36
 
 

AnteriorPróximo

Voltar para Ações Ibovespa

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Google [Bot], Yahoo [Bot] e 2 visitantes