Bem-vindo: Fev 21, 2017 12:17

Out 25, 2010 21:56
O iniciante Estreante
Mensagens: 14
OPÇÕES : Iniciantes
O iniciante
Registrado em:
Out 21, 2010 22:45
 
 
:) Beleza Sr. Mercado.

Gostei das suas orientações vc parece ser um bom conhecedor. Por isso se não for incômodo gostaria de continuar a discussão, pois tô aprendedo contigo. Voltando no exemplo da VALEK48, se ao inves de 100 ações eu viesse a comprar um lote com 1K isto daria um valor de 2,41K investido. Isto significa que eu estaria comprado deste valor, se no day-trade ou no dia seguinte estas 1k esteja valendo 2,81K como eu estaria lucrando, bastaria eu vende-las? Como eu faria esta venda? Quais os custos que estaria incidindo sobre esta operação?
Que literatura vc indica para estudos? Tem tantas sugestões na net que eu não sei mais o que pego para pode aprofundar.
Se resolvesse a operar qual seria a sua sugestão, visto como dito inicialmente vc tem um tino do negócio.
Saudações.
O Iniciante.

Out 26, 2010 13:14
Sr. Mercado Estreante
Mensagens: 19
Avatar do usuário
Registrado em:
Mar 22, 2010 12:41
 
 
Pode perguntar à vontade. Estou aqui para aprender e ensinar sempre que puder! :D
Comprar 1000 Valek48 a 2,41 dá 2410 mesmo. É isso aí, é como um papel qualquer. A única diferença é que as opções têm prazo de validade, ou seja, os papéis deixam de existir em dado momento.
Os primeiros posts deste tópico têm uma boa introdução ao assunto. Como vc já deve ter lido, eu recomendo uma pesquisa no Google mesmo. Foi assim que eu aprendi. Depois de aprender o básico, se vc quiser se aprofundar mesmo, eu recomendo o livro "Fundamentos dos Mercados Futuros e de Opções" do John Hull. É uma leitura avançada mas bem completa e nesta versão ele não usa conhecimentos de cálculo. Se vc conhece cálculo e probabilidade e estatística pode se interessar por "Opções, Futuros e Outros Derivativos", tb do Hull, mas neste ele vai bem mais fundo e só recomendo pra quem quer se profissionalizar na área ou quer ser pesquisador (é usado em cursos de pós-graduação). Infelizmente não posso te recomendar um livro mais elementar que o "Fundamentos" pq eu não conheço. Eu sou matemático e, por isso, o nível matemático do livro não foi nenhum empecilho pra mim, mas pra quem não conhece matemática a leitura pode ser difícil, mesmo o "Fundamentos" não usando cálculo. Vai numa livraria e dá uma folheada pra ver se te agrada. Mas há muito material na internet, como a Wikipedia, por exemplo, suficiente pra vc saber o mínimo necessário para operar com segurança e sem gastar um tostão com livros! :D Pesquise como funciona o modelo Black & Scholes e use uma calculadora BS. O pessoal deve conhecer várias. Sempre pergunte ao mestre Google, o oráculo do século XXI! :lol:
Quanto aos custos, na Ágora são os seguintes:

Margem - Caso ocorram operações de vendas (lançamentos de opções descobertos) haverá cobrança de margem.

Taxas de Negociação, Liquidação e Registro

Mercado de opções Negociação + Liquidação + Registro = TOTAL
Pessoas físicas e demais investidores 0,058% + 0,006% + 0,070% = 0,134%
Fundos e Clubes de Investimento 0,040% + 0,006% + 0,049% = 0,095%
Day-trade (para todos os investidores) 0,025% + 0,006% + 0,014% = 0,045%
Mercado de opções sobre índices
Pessoas físicas e demais investidores 0,033% + 0,006% + 0,045% = 0,084%
Fundos e Clubes de Investimento 0,024% + 0,006% + 0,030% = 0,060%
Day-trade (para todos os investidores) 0,025% + 0,006% + 0,014% = 0,045%
Observação:
As taxas acima mencionadas são aplicadas sobre o valor financeiro, segundo a natureza das operações, e cobradas de cada investidor (comprador e vendedor).


Corretagem - A cobrança de corretagem incide em duas situações distintas e varia segundo o envio de ordem pelo Home Broker ou pela Mesa de Operações.

Ordens pelo Home Broker:

A taxa de corretagem para operações realizadas pelo Home Broker será de R$ 20,00 por ordem executada, independentemente do montante envolvido.

Nos casos de indisponibilidade do Home Broker por problemas técnicos, nossas Mesas de Operações estão preparadas para receber as suas ordens. Nesses casos, será cobrada a mesma taxa de corretagem do Home Broker, ou seja, R$ 20,00 por operação executada.

Ordens pela Mesa de Operações:

A corretagem nas ordens realizadas pela Mesa de Operações, por telefone, será de 0,5% sobre o valor financeiro envolvido mais uma taxa fixa de R$ 25,21 (a taxa fixa será cobrada somente na primeira operação do dia, por tipo de mercado: ações, opções, etc.), respeitando o valor mínimo de R$ 40,00 sobre o total do dia.

No dia de vencimento das opções, a corretagem será cobrada da seguinte forma:

Cliente que exercer - taxa de 0,5% sobre o valor financeiro mais taxa fixa de R$ 25,21, respeitando o valor mínimo de R$40,00 sobre o total do dia.

Cliente que for exercido - taxa de R$ 20,00 por cada série da opção (mês e preço), exceto quando exercido sobre Termo. Nesse caso, será aplicada a taxa de 0,5% sobre o valor financeiro mais taxa fixa de R$ 25,21, respeitando o valor mínimo de R$40,00 sobre o total do dia.


Estas taxas podem variar de corretora para corretora, especialmente a corretagem.

Usando estes valores como exemplo, uma compra de 1000 Valek48 a 2,41 custará: 1000*2,41*(1+0,00134)+20 = 2433,23 pelo home broker (2421,08 p/ Day Trade). Se vender a 2,81 receberá: 1000*2,81*(1-0,00134)-20 = 2786,23 (2788,74 p/ DT). Seu lucro foi de 353 reais (367,66), um ganho de 14,5% (15,19%) antes dos impostos sobre o custo de aquisição. Sobre estes 353 (367,66) reais incide 15% (20%) de IR o que dá uma ganho líquido de 300,05 reais (294,13 p/ DT).

Para operar eu já dei minha sugestão: NÃO OPERE OPÇÕES se vc for iniciante. :D Mas só se aprende fazendo, não é mesmo? E como vc parece precavido e responsável, faça uns trades de baixo valor, contabilizando seus ganhos e perdas. Veja se leva jeito e NÃO SE ILUDA!
Quanto a mim, eu raramente opero opções. Quando opero faço lançamento coberto com opções OTM para não ser exercido. Compra seca eu faço quando há possibilidade de especulação com base em fatos. Não faço operações estruturadas, mas há algumas bem interessantes. Ganhei um bom dinheiro com a petrobras apostando na reação do mercado ao preço da cessão onerosa e à capitalização. Mas apostei um valor bem inferior à minha carteira. Na verdade eu evito especular, minha filosofia é o Value Investing.

Out 26, 2010 23:59
O iniciante Estreante
Mensagens: 14
O iniciante
Registrado em:
Out 21, 2010 22:45
 
 
Inicialmente agradeço pelas dicas por parte do Fraj*la e principalmente ao Sr. Mercado pela atenção dispendida.

Sr. Mercado as suas explicações foram claríssimas quanto a operação com opções, a sua síntese trouxe mais esclarecimentos do que alguns texto que eu já li.

Quanto ao Livro "Fundamentos dos Mercados Futuros e de Opções" do John Hull, eu já iniciei os estudos na semana passada, o primeiro capítulo tem sido surpreendente, deixando-me realmente interessado pelo assunto. Nos capítulos seguintes do livro havendo dúvidas, não vou ficar acanhado em levar ao seu conhecimento algumas dúvidas.

Voltando ao nosso último texto, um pequeno trecho citado por você chamou-me bastante a atenção:

"Quando opero faço lançamento coberto com opções OTM para não ser exercido"

Seria possível você tecer maiores esclarecimentos sobre "opções OTM"? Como ela evita que vc seja exercido?

Saudações

O Iniciante.

Out 27, 2010 17:39
Sr. Mercado Estreante
Mensagens: 19
Avatar do usuário
Registrado em:
Mar 22, 2010 12:41
 
 
O iniciante escreveu:Seria possível você tecer maiores esclarecimentos sobre "opções OTM"? Como ela evita que vc seja exercido?


Valeu Fraj*la por complementar minha lista miniatura :D e ajudar O iniciante e todos os que lêem o tópico em busca de informações!

Quanto à sua pergunda, iniciante, é o seguinte:

-ITM (In The Money): São opções dentro do dinheiro, significa que o preço de exercício está abaixo do preço atual do papel. Exemplo: temos um papel que custa R$40,00 e o preço de exercício da opção é R$38,00 essa opção é conhecida como “ITM- in the Money” (Dentro do dinheiro).

-ATM (At The Money): São opções no dinheiro, significa que o preço de exercício está no preço atual do papel. Exemplo: temos um papel que custa R$40,00 e o preço de exercício da opção é R$40,00 essa opção é conhecida como “ATM- At the Money” (No dinheiro).

-OTM (Out The Money): São opções fora do dinheiro, significa que o preço de exercício está fora preço atual do papel. Exemplo: temos um papel que custa R$40,00 e o preço de exercício da opção é R$44,00 essa opção é conhecida como “OTM- Out the Money” (Fora do dinheiro).

Como vc pode ver, pelo fato do preço de exercício ser maior que o preço atual do papel nas opções OTM, a CHANCE de eu ser exercido com o lançamento das opções é menor. No caso, eu vejo se o papel tá muito esticado, vejo o quanto ele deve valorizar para que eu seja exercido, e levo em consideração o prêmio usando BS. Dou preferência pra opções caras pelo BS e ativos que subiram muito e teriam q subir ainda mais para q eu fosse exercido. Não gosto de ser exercido pq invisto no longo prazo e não quero pagar imposto de renda pela venda. Isso pode destruir a rentabilidade de uma carteira. Outras pessoas usam outras estratégias para lançamento coberto com opções ITM e rolagem de posições. Têm um tópico sobre isso aqui no infomoney, dá uma olhada se te interessar. Eu sou bem conservador nas minhas atitudes pela minha convicção de que NÃO EXISTE ALMOÇO GRÁTIS e de que há muito conflito de interesse e pega-trouxa na bolsa.
Abç e bons estudos!

Nov 05, 2010 22:57
Guinness Estreante
Mensagens: 70
Avatar do usuário
Registrado em:
Ago 18, 2010 23:26
 
 
Pessoal, sou novo nesse negócio de opções.
Opero no mercado a vista há algum tempo, e fui me interessando pelo mercado de opções, não só por conta do vislumbramento que um possível lucro relativamente alto possa causar, mas por outros motivos também. Recentemente li dois livros os quais foram recomendados por colegas aqui do fórum. Achei tudo extremamente interessante.

Ocorre que tenho um amigo que trabalha como assessor de investimentos para pessoas jurídicas, e que sempre diz que ninguém consegue ter ganhos consistentes investindo apenas em opções, e vai mais além, dizendo que é muito provável que após cerca de 6 meses a 1 ano investindo em opções o sujeito perca tudo. É muito comum, diz ele.

Queria saber dos mais experientes, principalmente, o que pensam do assunto. É possível investir em opções e obter lucros consistentes, que não se percam em minutos? (é claro que estou supondo que o investidor entenda um mínimo e saiba o que está fazendo)

Obrigado a todos, bons negócios!

Nov 06, 2010 17:57
Guinness Estreante
Mensagens: 70
Avatar do usuário
Registrado em:
Ago 18, 2010 23:26
 
 
Fraj*la escreveu:
Guinness escreveu:Pessoal, sou novo nesse negócio de opções.
Opero no mercado a vista há algum tempo, e fui me interessando pelo mercado de opções, não só por conta do vislumbramento que um possível lucro relativamente alto possa causar, mas por outros motivos também. Recentemente li dois livros os quais foram recomendados por colegas aqui do fórum. Achei tudo extremamente interessante.

Ocorre que tenho um amigo que trabalha como assessor de investimentos para pessoas jurídicas, e que sempre diz que ninguém consegue ter ganhos consistentes investindo apenas em opções, e vai mais além, dizendo que é muito provável que após cerca de 6 meses a 1 ano investindo em opções o sujeito perca tudo. É muito comum, diz ele.

Queria saber dos mais experientes, principalmente, o que pensam do assunto. É possível investir em opções e obter lucros consistentes, que não se percam em minutos? (é claro que estou supondo que o investidor entenda um mínimo e saiba o que está fazendo)

Obrigado a todos, bons negócios!

Guinness, só operando a seco, sem muita experiência, sem uma estratégia muito bem definida, e sem muita, mas muita sorte mesmo, as chances de você quebrar são muito grandes.

Se quer começar a trabalhar com opções, melhor começar montando um carteira de ações e fazer LC OTM.

No mais, temos várias estratégias com LC aqui na seção Opções http://forum.infomoney.com.br/viewforum.php?f=10 .
São 3 tópicos já apenas sobre este assunto.
O último é este aqui
OPÇÕES : Lançamento Coberto
http://forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?t=12940

Boa sorte e sucesso!

Abç


Tá certo, obrigado amigo. Vou estudar mais, e só vou entrar nessa quando me sentir realmente preparado!

Abraço, tudo de bom.

Nov 08, 2010 9:46
Sun Tzu Forista VIP
Mensagens: 3588
Avatar do usuário
Registrado em:
Dez 05, 2007 11:19
 
 
Guinness escreveu:Pessoal, sou novo nesse negócio de opções.
Opero no mercado a vista há algum tempo, e fui me interessando pelo mercado de opções, não só por conta do vislumbramento que um possível lucro relativamente alto possa causar, mas por outros motivos também. Recentemente li dois livros os quais foram recomendados por colegas aqui do fórum. Achei tudo extremamente interessante.

Ocorre que tenho um amigo que trabalha como assessor de investimentos para pessoas jurídicas, e que sempre diz que ninguém consegue ter ganhos consistentes investindo apenas em opções, e vai mais além, dizendo que é muito provável que após cerca de 6 meses a 1 ano investindo em opções o sujeito perca tudo. É muito comum, diz ele.

Queria saber dos mais experientes, principalmente, o que pensam do assunto. É possível investir em opções e obter lucros consistentes, que não se percam em minutos? (é claro que estou supondo que o investidor entenda um mínimo e saiba o que está fazendo)

Obrigado a todos, bons negócios!


Opções a seco é uma das coisas mais assassinas que existem.
O cemitério dos malandros.

Como dizia o velho High: "Conheço muita gente que fez alguns dólares esporádicos operando opções a seco, mas não conheço ninguém que construiu patrimônio com esse tipo de operação."


Faça LC e seja feliz.

Nov 16, 2010 22:07
Dick Trade Forista VIP
Mensagens: 16202
Dúvida...
Avatar do usuário
Registrado em:
Dez 17, 2007 14:21
 
 
Sou de grotão de dentro. escreveu:No ano de 2010 quais série tiveram altas efetivamente lucrativas?
Foi somente a série H?

Desde já Agradecida!


:arrow: Post movido

Nov 17, 2010 20:29
Dick Trade Forista VIP
Mensagens: 16202
Avatar do usuário
Registrado em:
Dez 17, 2007 14:21
 
 
Apesar da aparência simples, códigos de opções podem levar investidor a erros

Por: Julia Ramos M. Leite
17/11/10 - 20h06
InfoMoney

SÃO PAULO – Ao se deparar com o código USIML51, o investidor pode, facilmente, concluir que se trata de uma opção de compra das ações preferenciais da Usiminas (USIM5), com vencimento em dezembro e preço de exercício de R$ 51,00.

Apesar de parecer lógica, a conclusão está errada – e pode claramente acarretar em prejuízos para o investidor. Hugo Azevedo, superintendente da área de estratégia de investimentos da Corretora Santander e autor do livro “ Investimentos em opções sobre ações no Brasil – Teoria e Prática”, explica que há quatro principais erros decorrentes da interpretação errônea dos códigos de opções.

As letras
Primeiramente, é preciso entender como é formado o código de uma opção. Basicamente, o código é composto por cinco letras e dois algarismos – como no exemplo inicial, USIML51.

As quatro primeiras letras – USIM – indicam a ação a qual a opção se refere. Aí pode surgir o primeiro problema: afinal, a Usiminas tem ações preferenciais e ordinárias (USIM3) negociadas na bolsa, assim como a Petrobras (PETR3, PETR4) e a Vale (VALE3, VALE5).

Apesar de a opção geralmente se referir a ação com mais liquidez – nesse caso, a preferencial -, a dedução não deve ser feita sem a checagem do ativo ao qual a opção se refere.

A letra seguinte, “L”, representa o tipo de opção – compra ou venda – e sua data de vencimento. As letras seguem uma regra da Bovespa (confira a tabela abaixo): o L do exemplo mostra que esta é uma opção de compra, com vencimento em dezembro. Vale lembrar que o vencimento de opções se dá, geralmente, na terceira segunda-feira do mês em questão – nesse caso, essa data seria 20 de dezembro.

Mês de referência
Opção de Compra
Janeiro A
Fevereiro B
Março C
Abril D
Maio E
Junho F
Julho G
Agosto H
Setembro I
Outubro J
Novembro K
Dezembro L

Opção de Venda
Janeiro M
Fevereiro N
Março O
Abril P
Maio Q
Junho R
Julho S
Agosto T
Setembro U
Outubro V
Novembro W
Dezembro X

Os números
Apesar da possibilidade de erro com as letras do código, Azevedo destaca que o maior problema de todos é com os números, que são representativos do preço de exercício.

“No caso da USILK51, há poucas semanas a Usiminas sofreu o que chamamos de split – o preço dela foi dividido por dois porque para cada ação que você tinha você passou a ter duas ações”, explica Azevedo.

Assim, os 51 do código, que eram equivalentes a R$ 51,00, seriam divididos por dois e atualmente valeriam R$ 25,50, certo? Errado. “O exercício dela hoje é R$ 25,29, e não os R$ 25,50 teóricos porque a Usiminas distribuiu proventos, e eles são ajustados no preço de exercício”, ressalta o superintendente de estratégia da Corretora Santander.

“Se for um dividendo, 100% do dividendo é tirado do preço do exercício, mas se forem juros sobre o capital próprio, apenas 85% do valor do JCP bruto é retirado do preço de exercício”, afirma.

“Os algarismos podem confundir bastante o investidor, que pode pensar que está operando um determinado preço de exercício, que na verdade pode ser completamente diferente. Esse erro é bastante comum, e pode causar prejuízos”, diz Azevedo.

EUA ou Europa?
Outra possível dúvida que pode surgir é se aquela é uma opção americana ou europeia. A diferença entre as duas é que o comprador de uma opção europeia pode exercê-la somente na data do seu vencimento, enquanto o investidor que adquiriu uma opção americana tem o direito de exercê-la até a data de vencimento - ou seja, em qualquer período de tempo compreendido entre a compra da opção e o prazo de vencimento.

“Pelo código, não tem como saber. Em alguns home brokers há um asterisco diferenciando, mas o código da bolsa é o mesmo. O investidor tem que checar”, aponta Azevedo.

Ele lembra que, para investidores mais experientes, esses erros não são comuns. “Isso não gera problemas recorrentes, porque as pessoas que estão acostumadas já sabem desses potenciais problemas e sempre estão se resguardando. Mas é um problema real para os novos entrantes no mercado de opções”, diz.

Ações ou opções?
Já Leonel Molero Pereira, professor de finanças do Insper e da FIA, aponta outro tipo de erro que pode ser cometido com os códigos de opções: o completo desconhecimento de que aquilo era uma opção.

“Já vi pessoas que se confundiram pensando que a opção era um ativo, como um unit – que também tem códigos meio complicados, diferentes”, diz o professor. Isso acontece, segundo ele, porque o investidor consegue comprar opções via home broker, da mesma forma que compra ações. “A pessoa olha o código da opção – como VALEK48, por exemplo – e pensa que é um ativo, não um derivativo”, explica.

Segundo Pereira, a confusão pode acontecer pela coincidência de se negociar os produtos no mesmo sistema, na maioria das vezes sem restrições às operações, como exigência de depósito de margem para opções, por exemplo.

O que pode agravar ainda mais esse tipo de erro, diz ele, é a grande volatilidade do mercado de opções. “Se a ação da Vale sobe 1%, a opção sobe 15%, 20%. Às vezes a pessoa não olha o histórico, olha a movimentação de um dia só, ou dos três últimos dias, fica impressionada com o retorno e compra, sem saber que aquilo é uma opção”.

O risco, nesse caso, é a movimentação do lado contrário – afinal, caso a ação caia 1% ao invés de subir, a tendência é que a opção também caia 15% ou 20%. “Aí vira pó e a pessoa não sabe por que”, resume Pereira.

Informação, informação, informação
Apesar de divergirem sobre os erros mais comuns relacionados aos códigos de opções, Pereira e Azevedo concordam quanto à solução: informação, informação, informação. “A recomendação é: informe-se antes de comprar, e não olhe só a rentabilidade. Vá atrás de informações sobre o que você está comprando”, frisa o professor. “Isso vale, claro, para qualquer ativo, não só opções”.

Da mesma forma, o superintendente de estratégia da corretora lembra que é de responsabilidade do investidor saber o que ele está operando – por isso, erros como os mencionados não podem ser consertados.

“Eu acho que não é um erro reversível, porque é de responsabilidade do investidor saber o que ele está operando, em que ele está dando a ordem. Se é via home broker, é uma informação que está disponível no sistema. Se ele está operando através de mesa, ele tem que confirmar com o operador”, explica.

Fonte: http://web.infomoney.com.br//templates/ ... stimentos/

Nov 19, 2010 13:07
Crush Forista Assíduo
Mensagens: 1403
Avatar do usuário
Registrado em:
Set 12, 2008 14:27
 
 
Sim. A lógica é que, até o vencimento da opção, não dá para saber se você teve lucro ou prejuízo com o lançamento. A operação só se encerra efetivamente quando sua posição estiver zerada, o que ocorre no vencimento, ou antes se você recomprar a opção lançada.

Dez 03, 2010 10:37
Dick Trade Forista VIP
Mensagens: 16202
Dúvida
Avatar do usuário
Registrado em:
Dez 17, 2007 14:21
 
 
TAKAMASSA NOMURO escreveu:Alguém pode me esclarecer uma dúvida?

Qual eh a diferença de uma opção de compra para uma opção de venda?

Obrigado
:arrow:

Dez 08, 2010 15:19
Tos Forista Assíduo
Mensagens: 279
dúvida
Avatar do usuário
Registrado em:
Jan 15, 2009 8:18
 
 
se faço um lançamento coberto e ele for exercido... como eu já tenho as ações, eu nao preciso fazer nada e elas já serão automaticamente vendidas pelo preço de strike do LC que fiz?

por exemplo:
tenho 100 ações da PETR4
vendo 100 opções PETRA26 a 0,73 e preço de strike de R$25,88
caso o valor de PETR4 fique maior que R$25,88 a venda das minhas 100 ações serão automaticamente exercidas?
E mais, sendo uma opção do tipo Americana, minhas ações serão automaticamente vendidas a qualquer data antes da data de vencimento da opção?
Ainda vou pagar corretagem pela venda exercida?

E caso eu nao queira exercer a venda das minhas 100 acoes (claro que para isso eu tenho que recomprar PETRA26). Devo recomprar antes que a venda seja exercida? Para isso devo ficar sempre acompanhando se o valor de PETR4 nao ultrapassa R$25,88?

Espero ter sido claro com minha dúvida...

Dez 11, 2010 8:17
Dick Trade Forista VIP
Mensagens: 16202
Avatar do usuário
Registrado em:
Dez 17, 2007 14:21
 
 
Como surgiram as opções?

Agora que você já conhece a idéia principal por trás das opções e como elas podem estar presentes em nosso cotidiano, é hora de saber como elas surgiram.

Existem relatos que fazem um paralelo entre os modelos de contrato de opções atuais e como surgiram seus embriões no passado.

As histórias são várias, algumas inclusive encontradas na bíblia, como o caso de Jacob, que trabalhou por sete anos para Laban, pai de Raquel, para obter o direito de se casar com ela. Se fossemos contar essa história com os termos que caracterizam as opções atualmente, poderíamos dizer que Jacob comprou uma opção de compra pagando um prêmio de sete anos de trabalho para ter o direito, mas não a obrigação, de se casar com a filha de Laban.

Outra história conhecida é a de Thales, antigo filósofo Grego da cidade de Miletus. Com seus conhecimentos adquiridos através do estudo das estrelas, ele previu com nove meses de antecedência uma excelente colheita de azeitonas.

Com base nessa previsão, Thales foi inteligente o bastante para procurar os donos de prensas de azeitonas, que serviam para transformar a azeitona em azeite de oliva, e fazer uma oferta pela exclusividade de uso dessas prensas durante a próxima colheita. Como ninguém acreditava que Thales pudesse prever a próxima colheita com noves meses de antecedência, os donos das prensas aceitaram a oferta, pois, assim, também poderiam se proteger e garantir algum lucro caso a próxima colheita fosse fraca. Thales tinha acabado de comprar opções de compra pelo uso das prensas.

A previsão de Thales estava correta e a colheita foi ótima naquele ano. A demanda pelas prensas estava enorme. Thales então revendeu suas opções de uso exclusivo das prensas com lucro fabuloso. Usando os termos das opções, Thales pagou um prêmio pelo direito, mas não pela obrigação, de exercer uma opção de compra, ou uso, das prensas e os revendeu com lucro no futuro. Repare que, caso a colheita tivesse sido fraca, Thales não precisaria exercer seu direito, perdendo apenas a quantia inicial (prêmio) paga pela aquisição do direito.

O marco na história das opções
Uma rápida pesquisa pela internet será capaz de encontrar diversas outras histórias, mas talvez a mais famosa seja o caso das tulipas, que aconteceu na Holanda. É considerado um marco, pois é o primeiro relato das conseqüências que as opções podem trazer quando são utilizadas não como forma de proteção e controle de risco, mas sim como forma de especulação.

Na Holanda do século 17, o principal mercado da época não era o de ações ou produtos, mas sim o de tulipas. As tulipas foram introduzidas pelos turcos e em pouco tempo se tornaram sensação entre os ricos na Holanda. Por isso, essa época também é conhecida como Tulipamania.

Para se ter uma idéia do tamanho da loucura que acometeu os holandeses naquela época, para se comprar apenas um bulbo da flor eram necessárias 24 toneladas de trigo. Em 1624 uma tulipa do tipo Semper Augustus custava o preço de uma casa espaçosa no centro de Amsterdã.

A valorização irracional das tulipas fez com que produtores e intermediários começassem a fechar contratos futuros, os chamados “windhandel” (negócio de vento). Esses contratos nada mais eram que opções de compra e venda de tulipas.

Não demorou muito para que esses contratos passassem a ser negociados livremente apenas como forma de especulação, afinal, com a alta valorização das tulipas, esses direitos também passaram a valer mais, e especuladores preferiam vendê-lo com lucro ao invés de exercerem seus direitos de compra das tulipas. Dessa maneira, os contratos passaram a não mais ter o ativo-objeto (tulipas) como referência.

Quando o mercado percebeu que as tulipas não valiam o preço pelo qual estavam sendo negociadas, a bolha estourou. Os especuladores passaram a vender seus direitos e os que não conseguiam vender, também não tiveram como honrar seus compromissos. Foi o caos.

O que se deve levar dessa história é que enquanto os direitos eram negociados como forma de proteção do ativo-objeto, tanto para comprador quanto para vendedor, não existia risco (ou o risco era baixo) de quebradeira e insolvência, pois os negociantes ou possuíam os ativos para entregar, ou os compradores adquiriam uma quantidade de opções que pudessem honrar no futuro.

Quando os direitos passaram a ser negociados como forma de especulação, os negociantes deixaram de lado a relação com o ativo-objeto e pouco se importavam se teriam condições de honrar seus compromissos futuramente, uma vez que seus objetivos eram revender esses direitos com lucro.

Quando veio a quebradeira e esses direitos passaram a ser vendidos desesperadamente para fugir do compromisso, muitos não conseguiram se livrar, pois ninguém mais queria ter esses direitos em mãos e, assim, não conseguiram honrar seus compromissos. Essa é a principal lição das opções.

Como surgiram as opções como conhecemos hoje em dia?
Foi em 1973 que as opções como conhecemos hoje em dia surgiram, quando a CBOT (The Chicago Board Of Trade), ou bolsa de Chicago, abriu a CBOE (Chicago Board Options Exchange).

Até então, os negócios envolvendo opções não possuíam um padrão de negociação e cada nova negociação deveria ser acertada individualmente entre compradores e vendedores.

Com o surgimento da padronização, as opções passaram a ser negociadas com parâmetros pré-definidos, como: lote, preço de strike, data de exercício, etc. Também ficou mais fácil acompanhar as cotações disponibilizadas pela bolsa, uma vez que representavam um grupo padronizado de opções.

Enquanto o mercado de opções crescia, os mecanismos de defesa e gerenciamento de risco também cresciam, para garantir que todos os participantes pudessem honrar seus compromissos. Além disso, sistemas de formação de mercado também garantiam o mercado secundário de opções, para que titulares e lançadores pudessem negociar ou revender suas opções.

No primeiro dia de negociações, 26 de abril de 1973, a CBOE negociou 911 contratos de 16 ações. De lá pra cá, o mercado de opções cresceu cada vez mais e se firmou como um importante mercado para diversas economias do mundo inteiro.

Fonte: http://www.investpedia.com.br/artigo/Co ... pcoes.aspx

Dez 23, 2010 10:40
Dick Trade Forista VIP
Mensagens: 16202
Avatar do usuário
Registrado em:
Dez 17, 2007 14:21
 
 
Sou de grotão de dentro. escreveu:Comprei 105,00 reais de opções à seco e elas viraram pó,pago impostos?quanto?por que?


Desde já Agradecida!


:arrow: post movido

Dez 23, 2010 10:51
Dick Trade Forista VIP
Mensagens: 16202
Re: Dúvida
Avatar do usuário
Registrado em:
Dez 17, 2007 14:21
 
 
Dick Trade escreveu:
TAKAMASSA NOMURO escreveu:Alguém pode me esclarecer uma dúvida?

Qual eh a diferença de uma opção de compra para uma opção de venda?

Obrigado
:arrow:


Ao comprar uma opção de compra (ou call), você adquire o direito de comprar o ativo a ela associado por um preço estabelecido; já a pessoa que a vende, assume a obrigação de vendê-la;

Ao comprar uma opção de venda (ou put), você adquire o direito de vender o ativo a ela associado por um preço estabelecido; já a pessoa que a vende, assume a obrigação de comprá-la.

Em resumo:

ImagemImagem

Dez 27, 2010 1:39
Sou de grotão de dentro. Estreante
Mensagens: 88
Avatar do usuário
Registrado em:
Mar 09, 2010 4:19
 
 
Fraj;la escreveu:
Sou de grotão de dentro. escreveu:Comprei 105,00 reais de opções à seco e elas viraram pó,pago impostos?quanto?por que?


Desde já Agradecida!


Sou grota, virarão pó depois que passar o vencimento, ou vc pode exercer o direito de comprar a ação.
Dica: calibra o mouse para clicar em "responder" ao invés de "novo tópico" :) .
Abç


Já passou a data do vendimento e elas se transformaram em pó,Pago impostos?quanto?porque?

Dez 27, 2010 12:04
Sou de grotão de dentro. Estreante
Mensagens: 88
...
Avatar do usuário
Registrado em:
Mar 09, 2010 4:19
 
 
Fraj;la escreveu:
Sou de grotão de dentro. escreveu:Já passou a data do vendimento e elas se transformaram em pó,Pago impostos?quanto?porque?
perde o dinheiro.
dica: compre um livro básico de opções, leia-o e releia-o, na seção iniciantes, tópico de livros, tem várias sugestões.
e se quer investir em opções sem ter a mínima noção disto, só vai perder dinheiro com toda certeza.
estude mais, muito mais, antes de pensar em investir neste segmento da bolsa.
bons estudos :idea: :idea: :idea:

:arrow: http://forum.infomoney.com.br/viewtopic.php?t=8416

:arrow: http://forum.infomoney.com.br/viewforum.php?f=7


Eu sei que perdi o dinheiro, o que quero saber é se tenho que pagar Imposto de renda,se sim quanto?por que?

Dez 31, 2010 8:37
Dick Trade Forista VIP
Mensagens: 16202
Avatar do usuário
Registrado em:
Dez 17, 2007 14:21
 
 
Colunista InfoMoney: Seis passos, análise comparativa de estratégias com opções

Por: Luiz Roge
14/04/10 - 15h57
InfoMoney

Existem as mais variadas estratégias que podem ser confeccionadas com opções sobre ações. Mas existe uma dúvida: qual delas é a melhor? Qual é a estratégia vencedora?

Dentro de uma perspectiva mais ampla e genérica, é possível definir três grandes grupos de estratégias em função dos movimentos esperados do preço do ativo-objeto da opção. Dessa forma, para um mercado de alta existe o grupo das estratégias de alta. Já para um mercado sem tendência definida, o grupo das estratégias de compra ou de venda de volatilidade. Por fim, para um mercado de baixa, as estratégias de baixa.

É possível encontrar exemplos detalhados e a categorização das estratégias passíveis de serem realizadas dentro de cada um desses três grandes grupos de estratégias nos livros e manuais editados sobre a matéria(1).

O objetivo desse artigo será discutir em linhas gerais como é possível avaliar qual a melhor estratégia dentro de qualquer um dos três grupos de estratégias; seja dentro do grupo das estratégias de alta, de volatilidade ou de baixa. É importante ressaltar que essas estratégias podem ser consideradas concorrentes, uma vez que se busca a melhor delas.

Entretanto, a resposta à questão de qual é a melhor estratégia não é trivial. Irá depender da comparação entre as estratégias alternativas, ou concorrentes. E para compará-las, será necessário saber quais os passos mais importantes ou vitais para que essa comparação seja feita de maneira adequada.

O primeiro passo é comparar os valores envolvidos nas estratégias. Por meio deles, pode-se avaliar qual é o valor em risco (de forma simples, o montante sobre o qual incide o risco de perda) definido na confecção de cada uma das estratégias e os montantes necessários para realizá-las.

Imagem
"Risco-retorno da
estratégia pode ser
feito com comparação
entre probabilidade
de perda e de ganho"

O segundo passo é definir qual o risco operacional para a montagem de cada uma das estratégias concorrentes. Dependendo da complexidade da montagem da estratégia, há o risco de que ela não seja realizada nos preços originalmente planejados ou desejados.

Algumas estratégias possuem estruturas mais simples como, por exemplo, a compra de uma opção de compra que envolve apenas “uma perna” na operação. Já outras estratégias possuem estruturas mais complexas como, por exemplo, uma trava ou spread de alta que envolve “duas pernas” na operação.

O terceiro passo é projetar isoladamente e depois, em conjunto, os gráficos e fluxos de resultados projetados para as estratégias em vários momentos do tempo - desde a sua realização na data zero (e em intervalos regulares de tempo) até a data de vencimento prevista para os contratos de opções.

Por meio da visualização dos gráficos e de seus fluxos de resultado é possível perceber rapidamente as regiões de preço para o ativo-objeto onde cada estratégia concorrente possui o melhor resultado e em que momento essa situação poderá, eventualmente se inverter. Ainda dentro desse tópico, está implícita a análise sobre o movimento direcional do ativo, também chamado de risco direcional, para avaliar qual a perda potencial envolvida em cada uma das estratégias elencadas – as chamadas regiões de lucro e de perda passíveis de acontecer quando do vencimento das estratégias.

Vale lembrar que estamos tratando da comparação de estratégias dentro de um mesmo grupo, como as estratégias de alta, de volatilidade ou de baixa. Dessa forma, muitas vezes é necessário utilizar-se de uma sintonia fina para perceber as diferenças existentes entre elas.

O quarto passo é fazer o estudo das gregas consolidadas de cada estratégia em particular para, em seguida, fazê-lo conjuntamente. Essa análise comparativa permite quantificar qual é o grau de sensibilidade de cada uma das estratégias concorrentes às variações dos fatores ou componentes do apreçamento das opções: preço do ativo-objeto (delta e gamma); volatilidade implícita das opções (vega); prazo para o vencimento (theta) e taxa de juros (rho) em vários momentos do tempo. Portanto, pode-se saber qual é o impacto - ganho ou perda financeira – nas estratégias, decorrente da variação em cada um desses componentes ao longo de suas vidas.

O quinto passo consiste em realizar a comparação das estratégias através da técnica de construção do chamado portfólio long-short para pares de estratégias. A construção desse portfólio irá permitir que se compare diretamente via gráficos e fluxos de resultados, como se comporta o portfólio “sintético” (chamado de long-short) ao longo do tempo.

Deve-se ter em mente que a construção desse portfólio permite confrontar diretamente duas estratégias concorrentes, tanto sob a perspectiva dos resultados projetados para vários momentos no tempo, quanto sob o enfoque do impacto causado pelas gregas do portfólio em seu resultado.

Por fim, o sexto passo envolve a análise de risco e retorno das estratégias. Deve-se analisá-las separadamente para, em seguida, fazê-lo por meio do portfólio long-short criado. A avaliação do risco-retorno das estratégias pode ser feita através da comparação entre as suas probabilidades estimadas de ganho e de perda.

Para isso, basta calcular a probabilidade do preço da ação permanecer na região de lucro da estratégia, em contraposição à probabilidade dele se situar fora dessa região – região de perda – no vencimento da estratégia. Dessa forma, obtém-se uma razão que permite avaliar a relação existente entre a chance de ganho e a chance de perda na estratégia, de forma que quanto maior for a razão obtida, melhor será para a estratégia caracterizada como “long” no portfólio.

Em breve, essa coluna terá oportunidade de analisar duas populares estratégias concorrentes: compra de opção de compra X venda coberta. Elas serão comparadas detalhadamente, por meio da utilização desse roteiro de análise.

(1)vide Ferreira, Luiz F. R., Mercado de Opções – A Estratégia Vencedora, Editora Saraiva, 2009, p. 243 – Apêndice 1.

Luiz Roge é economista e diretor executivo do site www.investcerto.com.br
luiz.roge@infomoney.com.br

Fonte: http://web.infomoney.com.br/templates/n ... olunistas/

Dez 31, 2010 8:44
Dick Trade Forista VIP
Mensagens: 16202
Avatar do usuário
Registrado em:
Dez 17, 2007 14:21
 
 
Colunista InfoMoney: Venda coberta de opções de compra (calls)

Por: Paulo C. Coimbra
18/08/09 - 18h44
InfoMoney

Uma possibilidade pouco explorada no mercado brasileiro é a venda coberta de opções, que é uma boa estratégia a ser utilizada em um mercado com perspectivas de pequenas variações.

A venda coberta de opções de compra (calls) é o termo designado para a situação onde o lançador (vendedor) de um lote de calls de ações possui (ou está prestes a possuir) em sua carteira o correspondente lote negociado em ações que servirão para "cobrir" as eventuais obrigações do vendedor caso haja uma elevação no preço da ação em um valor superior ao preço de exercício, que por sua vez irá motivar o titular (comprador) a exercer o direito de comprar as ações (que implicará na entrega por parte do vendedor do correspondente lote recebendo em contrapartida o preço de exercício subjacente às opções que foram lançadas).1

Tal estratégia pode ser utilizada para financiar parte da compra de uma determinada ação, ou em outras palavras, comprar ações com desconto!

Imagem
"Tal estratégia pode ser utilizada para financiar parte da compra de uma ação"
No exemplo que se segue estaremos supondo que o trader está interessado na compra de ações da Petrobras PN (PETR4). Suponha que o trader estivesse interessado em adquirir 1.000 ações da Petrobrás PN (PETR4), em 17/08/2009, no momento do fechamento do pregão.

Então ele poderia simultaneamente comprar as 1.000 ações de PETR4 (ao preço de R$ 32,00, cada) e "financiar" parte desta compra através da venda de 1.000 calls de PETRI342 (ao preço de R$ 0,70, cada), o que resultaria em um custo de R$ 31.300,00 (=R$(32,00-0,70)x1.000), ou seja, num desconto de 2,19% no preço da ação.

Se, eventualmente, o comprador exercer o direito de compra (o que pode ocorrer até o dia 21/07/2009) então a compra do lote de 1.000 ações "financiada" com a venda de opções resultaria em um ganho máximo de 7,83%, o que não é nada mal em pouco mais de um mês!

Imagem

Como já ressaltamos esta é uma boa estratégia quando não se esperam grandes oscilações nos preços das ações, o que garantiria a compra da ação com um bom desconto. É importante notar que existe um claro trade-off no momento em que a operação é montada.

Se o trader não desejar ser exercido mas ainda assim desejar financiar parte da sua compra através da venda de opções então ele deverá optar pela venda de calls que estejam mais "fora do dinheiro", i.e., calls que possuem preço de exercício mais elevados.

No nosso exemplo, o trader poderia ter optado pela venda da call PETRI363 (ao preço de R$ 0,25, cada), o que resultaria em um desconto de 0,78% no preço da ação, mas por outro lado só seria exercido se o preço da ação alcançasse o valor de R$ 35,75, o que resularia em um ganho máximo de 12,60%.

Na próxima matéria continuaremos abordando sobre a venda coberta de call, como parte de uma estratégia de longo prazo de se adquirir mais ações sem a necessidade de desembolsos extras.

1Já discorremos sobre os fundamentos que estão por trás do funcionamento do mercado de opções (confiram aqui).

2O vencimento da série I ocorrerá em 21/09/2009 e o preço de exercício de PETRI34 é de R$ 33,75.

3O preço de exercício de PETRI36 é de R$ 35,75.

Paulo C. Coimbra é doutorando em Economia na EPGE/FGV, professor da FUCAPE e FGV e escreve mensalmente na InfoMoney, às terças-feiras.
paulo.coimbra@infomoney.com.br

Fonte: http://web.infomoney.com.br/templates/n ... olunistas/

Dez 31, 2010 8:47
Dick Trade Forista VIP
Mensagens: 16202
Avatar do usuário
Registrado em:
Dez 17, 2007 14:21
 
 
Colunista: Remunerando a paciência da decisão de comprar via venda de puts

Por: Paulo C. Coimbra
30/12/10 - 20h20
InfoMoney

O ano de 2010 não deverá ser lembrado com muito saudosismo pelos investidores que destinam uma parcela de seus recursos em uma carteira de ações de empresas negociadas em bolsa. Por outro lado, traz consigo a perspectiva de que boas oportunidades de investimentos em ações ainda possam estar disponíveis.

Suponhamos que, após uma minunciosa análise baseada nos fundamentos, um investidor conclua que vale a pena adquirir as ações de uma determinada empresa como parte de sua estratégia de investimentos em uma carteira de ações a longo prazo. Suponhamos também que, de acordo com a análise técnica feita por este investidor, ele acredite que seja possível comprar as ações desta empresa por um preço abaixo daquele que está sendo cotado a mercado. Uma possível atitude do investidor, neste caso, pode ser a de lançar uma ordem de compra no preço alvo e alocar os recursos destinados a este investimento na renda fixa enquanto aguarda a confirmação de sua ordem.

É possível, no entanto, alcançar uma remuneração extra enquanto se aguarda a queda do preço da ação, desde que exista um mercado de opções de venda (puts) com liquidez.

Opções de venda (puts) - que são negociadas na BM&F Bovespa - são acordos feitos entre duas partes onde o comprador paga um prêmio (put) para ter o direito (mas não a obrigação) de vender uma ação por um preço pré-determinado (preço de exercício), em data futura pré-estabelecida (data de vencimento) 1 e o vendedor recebe um prêmio (put) para ter a obrigação de preencher os termos do contrato caso o comprador deseje exercer o seu direito de vender a ação e este seja designado a comprar a ação pelo preço pré-determinado (preço de exercício), na data pré-estabelecida (data de vencimento).2

Imagem
"É possível alcançar uma remuneração
extra enquanto se aguarda a queda
do preço da ação, desde que exista
um mercado de puts com liquidez"

Por exemplo, vamos supor que na quinta-feira 23 de dezembro de 2010, um investidor acredita que existam boas razões para investir em ações preferenciais da Vale (VALE5), cotadas a R$ 50,05 no fechamento desta data. O investidor poderia, então, adquirir um lote de 1.000 ações de VALE5 por R$ 50.050,00, considerando a cotação de fechamento. Suponha, também, que de acordo com a análise deste investidor, o preço ideal de compra da VALE5 é de R$ 47,53. Este investidor poderia, então, vender 1.000 puts da VALEM48, com preço de exercício de R$ 47,53, com vencimento em 17 de janeiro de 2011 e cotada a R$ 0,15, recebendo um total de R$ 150,00, assumindo a obrigação de comprar um lote de 1.000 ações de VALE5 por R$ 47.530,00 na data de vencimento, caso venha a ser designado pela bolsa de valores se o comprador da put decidir exercer seu direito de vender VALE5 por R$ 47,53. 3

Se a expectativa do vendedor da put, de que o preço da ação venha a se aproximar de R$ 47,53 na data de vencimento, estiver errada e o preço da VALE5 permanecer acima de R$ 47,53 na data do vencimento então ele não será exercido. Desse modo, ele não irá adquirir as ações da VALE5 pelo preço de R$ 47,53 mas, em contrapartida, embolsará o prêmio de R$ 150,00. Daí por diante ou o investidor faz uma revisão para cima do preço de compra ideal ou então repete a operação de venda da put, sendo remunerado enquanto aguarda uma queda no preço da ação até os níveis do preço alvo.

Se, por outro lado, a expectativa do vendedor da put estiver na direção correta e o preço da VALE5 cair abaixo de R$ 47,53 na data do vencimento, então o comprador da put certamente exercerá o seu direito e ele poderá ser designado a comprar a VALE5 por R$ 47,53.

Vamos ilustrar melhor este ponto, que é a base da análise de risco desta operação. Suponha que na data do vencimento a VALE5 venha a ser cotada a R$ 47,00. Neste caso, o comprador da put irá exercer o seu direito de vender a ação por R$ 47,53 e se o vendedor da put for designado pela bolsa de valores a comprar a ação VALE5, então terá o prejuizo de R$ [(47,53-47,00)-0,15] x 1.000 = R$ 380,00. Note, no entanto, que este prejuizo é inferior ao que ele teria se, alternativamente, tivesse comprado as 1.000 ações da VALE5 por R$ 50,05 e as tivesse mantido em carteira, teria um prejuizo de R$ [50,05-47,00]x1.000 = R$ 3.050,00.

Portanto, os riscos inerentes à operação de venda de uma put estão relacionados ao fato de que a ação VALE5 pode vir a ser cotada, na data do vencimento, abaixo do preço que você poderá ser obrigado a comprar caso seja designado (no caso, abaixo de R$47,53).

Eis aqui a análise de risco da operação de venda de uma put. Quanto menor for o preço de exercício associado, menor será o prêmio recebido pela put, e menores serão as chances de ser exercido. A justificativa reside no fato de que quanto menor for o preço de exercício, mais o preço da ação terá que cair para que a put tenha valor e, por isso, o comprador estará disposto a pagar menos por ela.

A venda de puts também é uma estratégia particularmente interessante a ser adotada em papéis de primeira linha (blue chips), tais como VALE5 e PETR4, quando se verificam, por quaisquer que sejam as razões, quedas acentuadas nas suas cotações. Em situações como estas os investidores acabam apostando numa recuperação rápida dos preços destas ações, o que de fato ocorre num primeiro instante, antes que se confirme um ajuste dos preços das ações. Nesse interim ocorre um aumento na volatilidade implícita das puts e, consequentemente, uma elevação dos prêmios, propiciando ótimas oportunidades de remuneração aos vendedores de put.

Finalmente, vale à pena notar, também, que:

i ) O preço da ação está inversamente relacionado ao prêmio da put. Assim, o prêmio da put se elevará quando o preço da ação cair, e vice-versa;

ii) Quanto mais distante estiver o vencimento da opção, maior será o prêmio da put. A razão desta relação reside no fato de que o comprador irá dispor de um tempo maior para que a ação se movimente e, possivelmente, alcançe preços menores.



Paulo C. Coimbra é doutor em Economia na EPGE/FGV, professor da FUCAPE e FGV e escreve mensalmente na InfoMoney.
paulo.coimbra@infomoney.com.br



Para acessar a página de colunistas do Portal InfoMoney, clique aqui.





1 Na BM&F Bovespa as opções de venda (puts) são do tipo europeias, isto é, só podem ser exercidas na data do vencimento.

2 No tocante aos aspectos opeacionais deste acordo, é importante ressaltar que não se trata de uma operação casada. Assim, quando um comprador exerce o direito de vender um lote da ação, o vendedor da put será escolhido pela bolsa de valores.

3 Note que se o vendedor de put tem que ter uma margem para adquirir as ações, caso seja exercido, correspondente ao valor do lote das ações, considerando o preço de exercício, que no exemplo corresponderia a R$ 49.880,00.

Fonte: http://web.infomoney.com.br/templates/n ... olunistas/

AnteriorPróximo

Voltar para Opções & Futuros

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 0 visitantes